18:38 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado norte-americano olhando para as armas e as munições do Daesh em Mossul, Iraque

    Armas norte-americanas caem cada vez mais em mãos erradas, diz mídia

    © REUTERS / Azad Lashkari
    Defesa
    URL curta
    304

    As armas norte-americanas enviadas para a Síria e o Iraque acabam frequentemente em poder dos extremistas.

    Washington precisa rever a sua abordagem "relaxada" em relação à exportação de armas, que não é caracterizada por uma grande ponderação estratégica, reporta a revista The National Interest.

    As vendas de armas são um grande negócio para os EUA. Em 2017, o Departamento de Estado informou sobre a conclusão de acordos militares por um valor recorde de US$ 75,9 bilhões (R$ 288,2 bilhões), informa a publicação.

    O presidente norte-americano Donald Trump está firmemente convencido de que o fornecimento de armas, aeronaves, mísseis, sistemas de defesa aérea e tecnologias militares norte-americanas ao exterior cria simultaneamente empregos no país e aumenta a influência política de Washington nos países que escolhem os produtos dos EUA. 

    Mas o que Trump considera um bom negócio, muitos europeus veem como um dos fatores que aumenta a instabilidade em zonas de conflito. Esta semana, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução não vinculativa que na prática acusa os Estados Unidos de violarem sistematicamente os acordos quanto aos usuários finais das armas e tornar o mundo mais perigoso, observa a revista.

    Apesar de Bruxelas também ter repreendido a Bulgária e a Romênia por burlarem os procedimentos da UE ao exportarem armas, o bloco atribuiu a principal responsabilidade a Washington. O mais interessante é que o Parlamento Europeu apelou a decretar um embargo de venda de armas à Arábia Saudita.

    Essa reprimenda dos aliados europeus a Washington é impressionante, mas compreensível. Basta lembrar a grande quantidade de equipamento militar norte-americano que caiu nas mãos de organizações terroristas durante as batalhas no Iraque e na Síria. O Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) tornou-se o principal beneficiário da "relaxada" abordagem norte-americana relativamente às exportações de armas, salienta a revista.

    Na Síria, as armas norte-americanas destinadas à "oposição moderada" foram apreendidas a  terroristas contra os quais deveriam ser usadas. Em relatório de 2017, a organização Conflict Armament Research cita muitos casos em que armas compradas pelos norte-americanos nos países dos Bálcãs foram roubadas, vendidas ou apropriadas por grupos mais radicais. Por exemplo, sistemas antitanque fabricados na Europa, vendidos aos EUA e entregues à oposição síria, foram posteriormente encontrados entre combatentes do Daesh. 

    No entanto, os políticos europeus também precisam de restaurar a ordem em sua própria casa antes de criticar os Estados Unidos. Afinal, os países da União Europeia também são culpados da existência de muitas armas de fogo em zonas de conflito e mercados de armas no mundo árabe, concluiu a revista norte-americana.

    Mais:

    'Situação alarmante': especialista avalia condições de uso de armas nucleares
    'Temos armas hipersônicas': Rússia dará resposta à saída dos EUA do Tratado INF, diz Putin
    Terroristas abandonam na Síria armazém com armas, inclusive de produção americana (VÍDEO)
    Tags:
    terroristas, exportação de armas, Parlamento Europeu, Departamento de Estado dos EUA, Daesh, União Europeia, Washington, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik