10:34 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Os novos MV-22 Ospreys na Marine Corps Estação Aérea de Futenma em Ginowan, Okinawa

    Retomada a construção de base militar dos EUA em Okinawa

    © AP Photo / Eric Talmadge
    Defesa
    URL curta
    725

    Foi recebida uma notificação do Ministério da Defesa japonês sobre a retomada dos trabalhos, disse o secretário-geral do governo japonês.

    O preenchimento de parte da faixa marítima costeira foi retomado na área de Henoko, na cidade de Nago, na província japonesa de Okinawa, disse o secretário-geral do gabinete dos ministros do Japão, Yoshihide Suga, em uma entrevista coletiva realizada em Tóquio.

    As autoridades da prefeitura Okinawa revogaram em agosto a licença que autorizava esses trabalhos.

    "Ontem, ao escritório do Ministério da Defesa em Okinawa chegou uma notificação do Ministério da Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo sobre a ação [revogação] ter sido suspensa e hoje recebemos uma notificação do Ministério da Defesa sobre a retomada dos trabalhos", disse Suga.

    O Ministério da Terra e Infraestrutura levou dois meses para conseguir a suspensão temporária dessa revogação. O recém-eleito governador da prefeitura, Denny Tamaki, insiste em se reunir com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, para decidir a transferência da base de Futenma, na mesma província de Okinawa. O governo pretende transferi-la para Henoko, mas a administração de Okinawa insiste em transferi-la para fora da província.

    Segundo é esperado, os trabalhos de preenchimento com areia da faixa marítima costeira começarão no final do ano.

    Por acordo entre o Japão e os EUA em 2006, foi decidido que a base de Futenma, que é considerada a mais perigosa do mundo devido à sua localização próxima a edifícios residenciais na cidade de Ginowan, em Okinawa, deveria ser mudada para Henoko. Para isso é necessário preencher cerca de 157 hectares de faixa marítima costeira, o que irá danificar os recifes de coral. Isso gerou protestos da população local e de ambientalistas. Além disso, a transferência da base dentro da mesma província, de acordo com a população local, não reduz a sobrecarga, que já é demasiada, sobre Okinawa com a localização de bases militares dos EUA: ocupando apenas 0,6% do território do país, na província se encontram 74% das instalações militares dos EUA em termos de área.

    Durante os trabalhos de preenchimento de parte da faixa costeira, no fundo do mar será derramado concreto, assim como terra. Isso tornará praticamente impossível recuperar a costa para o seu estado atual.

    Há mais de dois anos que entre o Estado e a prefeitura, com resultados variados, decorre um confronto em torno da transferência da base de Futenma para Henoko. Processos judiciais mútuos e cancelamentos de decisões da outra parte resultam em retomadas periódicas e suspensões das obras de preenchimento da parte costeira.

    Segundo os acordos bilaterais assinados em 2013, a transferência da base de Futenma para jurisdição da província de Okinawa deve ocorrer "em 2022 ou um pouco mais tarde". Mas para que isso aconteça deverá ocorrer a transferência da base da cidade de Ginowan, em Okinawa, para a área de Henoko, na mesma província.

    Mais:

    Autoridades de Okinawa têm de aceitar a presença norte-americana na ilha
    Manifestante: ‘Enquanto houver bases americanas, isso vai se repetir’
    Funcionários de bases americanas no Japão devem perder parte de sua imunidade legal
    Tags:
    transferência, base militar, Ministério de Defesa do Japão, Shinzo Abe, Yoshihide Suga, Japão, EUA, Tóquio, Okinawa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik