03:46 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    MiG-29

    Caças russos MiG-29 na Sérvia receberão nomes de pilotos mortos durante agressão da OTAN

    © Sputnik / Aleksandr Milatchi
    Defesa
    URL curta
    2113

    Em 21 de agosto, na apresentação solene de dois caças russos MiG-29, o presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, propôs nomear todos os oito caças adotados em serviço da Força Aérea da Sérvia, seis dos quais ainda estão sendo modernizados, com nomes dos pilotos que morreram durante os bombardeios da OTAN à República Federal da Iugoslávia em 1999.

    Em seu discurso no aeródromo militar de Batajnica, perto de Belgrado, ele expressou a esperança de que o Exército sérvio apoie sua iniciativa e mencionou os nomes de vários pilotos que morreram heroicamente.

    Em entrevista à Sputnik Sérvia, o historiador Predrag Markovic disse que atribuir os nomes dos pilotos sérvios mortos aos caças militares é uma boa maneira de prestar tributo à memória dos heróis, especialmente quando se trata de pessoas que defenderam o céu da Sérvia e voaram inclusive nas mesmas aeronaves MiG-29.

    "Não prestamos tributo suficiente aos heróis que defenderam o céu de sua terra natal em 1999. Este poderia ser o começo da formação de um tipo de 'cultura de memória' sobre aquela guerra, em qual o Exército sérvio, especialmente a Força Aérea e a defesa antiaérea, se mostraram como as melhores do mundo", destacou Markovic.

    O major-general Vidosav Kovacevic, em comentário para a Sputnik Sérvia, também aprovou a iniciativa do presidente da Sérvia. Ele também chama a atenção para o fato de que heroicos pilotos sérvios mortos – coronel Milenko Pavlovic e coronel-general Ljubisa Velickovic – voavam em caças MiG-29, e sublinhou o significado simbólico desse fato.

    "Parece-me correto usar esse simbolismo para preservar a memória eterna desses homens […] Eles foram realmente heróis. Tal como em 1941, esses homens levantaram voo em condições de indiscutível supremacia aérea do inimigo", observou o major-general.

    Ele lembra que naquela época havia sérias dúvidas sobre se a Sérvia devia usar aviação para responder ao ataque aéreo da OTAN, mas os corajosos pilotos decidiram que deviam voar e defender a pátria.

    "Eu acho que é uma boa ideia para, transmitindo a tradição, preservar a memória de nossos heróis que morreram em uma batalha absolutamente desigual. É um verdadeiro heroísmo – lutar quando um pequeno país é atacado de uma vez só pelas 19 nações mais fortes do mundo", afirma Kovacevic.

    O historiador Markovic acredita que uma possível participação da Sérvia como Estado militarmente neutro em exercícios da OTAN em caças com os nomes das vítimas da agressão da Aliança não é um problema, pelo contrário, a implementação desse cenário, na opinião dele, seria um sinal de que "não somos mais inimigos e que superamos nossos conflitos".

    Kovacevic está convencido de que é justamente a neutralidade militar que dá à Sérvia a possibilidade de participar de exercícios da OTAN em aeronaves militares batizadas com o nome de suas vítimas.

    "Sim, essa liberdade que temos como um Estado militarmente neutro tem seu preço. Mas somos um povo assim, gostamos disso. Isso não deve causar nenhuma dificuldade. Participamos dos exercícios da Aliança. Nós, assim como a Rússia, participamos do programa da OTAN Parceria para a Paz e tudo isso não deve gerar problemas para nós com os nomes dos nossos combatentes. Nós apenas conservamos a memória dos nossos heróis", concluiu o especialista militar.

    Mais:

    Tanque ucraniano com armas da OTAN quebra em plena rua (VÍDEO)
    OTAN e o Japão realizaram manobras conjuntas no mar Báltico
    Analista militar: muitos países da OTAN desejarão ter novo fuzil de assalto Kalashnikov
    Tags:
    pilotos, homenagem, caças, MiG-29, Força Aérea da Sérvia, OTAN, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik