20:35 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Um caça-bombardeiro americano F/A-18F Super Hornet sobrevoa o porta-aviões da Marinha dos EUA USS Gerald R. Ford, enquanto este testa seus novos sistemas EMALS e AAG no Atlântico

    NI: EUA se preparam para guerra com Rússia no Atlântico Norte

    © REUTERS / Marinha dos EUA/Erik Hildebrandt
    Defesa
    URL curta
    311162

    A Marinha norte-americana está se reparando para a guerra contra a Rússia no Atlântico Norte, advertiu a revista The National Interest.

    A edição citou a declaração do comandante da Marinha dos EUA, almirante John Richardson, que em uma de suas entrevistas assinalou que a recente atividade dos submarinos russos na região tinha atingido seu máximo nos últimos 25 anos.

    De acordo com o autor da matéria, no dia de assumir o cargo, em 3 de agosto, o vice-almirante Charles Richard articulou uma ideia similar. 

    "Se preparem para a luta! Era a ordem do almirante Tofalo [antecessor de Charles Richard], é a minha ordem também. Somente graças à preparação de combate poderemos evitar o derramamento de sangue. Caso tal não se possa evitar, nosso povo exige a vitória. Não vamos falhar!", afirmou Richard.

    Segundo analistas, tais declarações se encaixam na atual Estratégia de Defesa Nacional norte-americana. De acordo com ela, os EUA atribuem prioridade ao confronto com a Rússia e a China, e não à luta contra o terrorismo.

    Em maio, o comando da Marinha dos EUA anunciou o restabelecimento da Segunda Frota, cuja zona de ação compreenderá o litoral oriental dos EUA e o Atlântico Norte. A principal tarefa da unidade, conforme a mídia, será confrontar as "pretensões territoriais de Moscou" em relação aos aliados de Washington.

    Apesar da ameaça proveniente dos submarinos chineses, a Marinha dos EUA está muito mais preocupada com as ações da Marinha russa, segundo a The National Interest. A edição citou o comentário do almirante da Marinha norte-americana, James Fogo, que em 2016 qualificou as tensões entre a Rússia e os EUA como "a quarta batalha pelo Atlântico", se referindo à Primeira e Segunda Guerras Mundiais e à Guerra Fria.

    Enquanto isso, os autores da matéria prestam atenção à crescente atividade da Marinha chinesa. Até 2020, 70 submarinos devem entrar em serviço do exército da China. 

    Mais:

    Rússia estaria pronta para 'guerra comercial' iniciada pelos EUA?
    EUA vão impor sanções independentemente das ações da Rússia, diz especialista
    Rússia emite alertas de viagem por preocupação com situação nos EUA e em outros países
    Tags:
    guerra, Atlântico Norte, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik