08:28 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    MiG-35 no Salão Aeroespacial Internacional MAKS 2017

    Leve, moderno, letal e extremamente manobrável: conheça o novo caça russo MiG-35

    Sputnik
    Defesa
    URL curta
    14682

    O caça multifuncional russo MiG-35 iniciou testes de voo. Mídia avalia características operacionais do caça de nova geração.

    "É leve, moderno, letal e extremamente manobrável", escreveu a mídia russa sobre o novo jato MiG-35. 

    Se os testes correrem bem, as primeiras máquinas entrarão em serviço em 2019. Esse caça é uma modernização profunda do MiG-29 que está em serviço há 35 anos. É uma máquina totalmente diferente quando avaliada em situação real de combate.

    O principal objetivo do novo caça é a superioridade aérea em um setor relativamente pequeno da linha de frente, já que os ataques remotos são para o Su-27 e o Su-35. O MiG-35 atua próximo às ações terrestres, protegendo a infantaria das aeronaves inimigas, cobrindo objetos da retaguarda e interrompendo o reconhecimento aéreo do inimigo. Esses caças são implantados nas linhas de frente, onde as bases aéreas são tipicamente preparadas apenas com as mais básicas necessidades. O MiG-35 herdou as qualidades de confiabilidade e facilidade de manutenção do MiG-29.

    O novo caça se assemelha ao seu antecessor externamente, mas é muito diferente dentro da fuselagem. Sua matriz ativada eletronicamente por varredura (AESA) Zhuk-A pode rastrear até 30 alvos em distâncias de até 200 km. Ele possui um sistema de controle eletrônico e um sistema localizador óptico (OLS) integrado, que permite detectar armas, como radares, mas sem quaisquer emissões, sendo assim indetectáveis. A segmentação é projetada no capacete do piloto.

    A carga útil da aeronave foi aumentada no que tange a capacidade de combustível e recursos de motor, enquanto o custo de voo por hora teve uma redução de cerca de 2,5 vezes em relação ao seu antecessor.

    Em capacidade de voo, o MiG-35 supera seu principal concorrente, o F-16C Block 50/52 norte-americano. O MiG-35, que a OTAN apelidou de Fulcrum-F, pode voar a 2.560 km/h (bem acima do limite de 2.120 km/h do F-16) e é capaz de atingir altitudes de até 17,5 km (acima dos 15,2 km do F-16).

    Sobretudo, o motor é a maior vantagem do caça. As bocas de empuxo vetorizadas permitem que a aeronave execute manobras complexas que apenas um Su-35 super manobrável poderia realizar. A capacidade de realizar manobras rápidas e inesperadas permite ao MiG-35 ficar atrás de uma posição inimiga, o que é vantajoso em operações táticas.

    O grupo de alta pilotagem Strizhi será o primeiro a testar o novo avião, já que essa equipe está encarregada de desenvolver táticas para a nova máquina. Os MiG-35 serão então enviados para a Força Aérea da Rússia. Segundo relatos da mídia, o caça ficará nas bases dos distritos de Moscou e Kursk. Isto significa que o MiG-35 será capaz de dar suporte às forças terrestres russas no caso improvável de um conflito militar nas fronteiras ocidentais da Rússia. Espera-se que a Força Aérea nacional receba cerca de 30 novos MiG-35 antes de 2020.

    A variante primária do caça é o MiG-35S, um aparelho de um assento. A versão de dois lugares será denominada de MiG-35D e será usada como aeronave de treinamento. 

    "Este caça leve é muito econômico […] Está apto para treinar pilotos tanto no meio acadêmico como no próprio exército, e para estes se familiarizarem com todas as técnicas de pilotagem, manobras e armamentos", afirmou Viktor Bondarev, comandante da Força Aeroespacial da Rússia. 

    Dos 56 países que atualmente usam o MiG-29, cerca de metade manifestou interesse em adquirir o MiG-35. A Índia potencialmente será o maior importador. Os países que possuem os MiG-29 têm a infraestrutura necessária para manter os MiG-35, segundo a mídia russa.

    Mais:

    Caça multifuncional russo MiG-35 inicia testes governamentais de voo
    Características confirmadas: MiG-35 supera os testes de fábrica (VÍDEO)
    Tags:
    testes, caça, MiG-35, MiG-29, Força Aérea da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik