09:18 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Parceiros norte-americanos e estônios treinam em conjunto (foto de arquivo)

    Inimigo fictício nas manobras da OTAN se parece muito com Rússia, diz mídia

    CC0 / U.S. Army Europe Images
    Defesa
    URL curta
    6111

    Soldados da OTAN participaram na Estônia dos exercícios militares internacionais Locked Shields (Escudos Cruzados), durante os quais treinaram a resposta a um ataque cibernético por parte de um país inventado, Crimsonia, muito parecido com a Rússia, escreve o jornal estadunidense The Washington Post.

    Segundo o plano dos exercícios, hackers da Crimsonia atacaram outro país imaginado, Berylia, que ficou sem eletricidade e água. Além disso, os atacantes bloquearam o sistema de energia e hackearam um drone, que acabou por cair em uma base da OTAN, causando vítimas entre os militares.

    O jornal norte-americano sublinha que a Krimzonia tem semelhança com a Rússia, já que em 2007, segundo vários especialistas, efetuou ataques cibernéticos contra o parlamento da Estônia, a mídia local e provedores de Internet.

    O The Washington Post sugere que o suposto ataque cibernético teve a ver com a decisão das autoridades estonianas de retirar o monumento Soldado de Bronze, junto com as sepulturas de soldados soviéticos, do centro de Tallinn.

    Naquele ano, diz o artigo, os países da OTAN não tomaram nenhumas medidas contra a Rússia.

    Os Locked Shields estão entre os maiores exercícios de guerra cibernética no mundo, sendo realizados desde 2010. Da edição deste ano participaram quase mil efectivos de 30 países.

    A OTAN costumava ver a prevenção de ciberataques como única responsabilidade das entidades da Internet. No entanto, em 2014, a OTAN decidiu que um ciberataque pode provocar uma resposta militar e, no ano passado, autorizou seus militares a realizarem tais ataques.

    Mais:

    Caças britânicos Typhoon levantam voo para interceptar avião russo perto do espaço da OTAN
    OTAN prepara exercícios militares no Mar Negro
    Tags:
    ataques cibernéticos, manobras, OTAN, Rússia, Estônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik