08:45 24 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Submarino Dmitriy Donskoy da classe 941 Akula

    Fim de época: Marinha russa se despede de maiores 'tubarões' submarinos no mundo

    © Sputnik / Aleksei Danichev
    Defesa
    URL curta
    3332

    Os cruzadores submarinos pesados do projeto 941 Akula (Tubarão, em russo) da Marinha da Rússia, cederam lugar aos porta-mísseis nucleares mais furtivos e eficientes de 4ª geração da classe Borei, considera o presidente do Movimento Russo de Apoio à Marinha, capitão-de-mar-e-guerra Mikhail Nenashev.

    Mais cedo, uma fonte na indústria de construção naval comunicou à Sputnik que dois submarinos do projeto 941, isto é, Arkhangelsk e Severstal, seriam desmantelados pela empresa Rosatom depois de 2020. De acordo com o interlocutor da agência, sua futura exploração foi avaliada como não rentável, enquanto os próprios navios já foram retirados do serviço da Marinha do país.

    "Hoje em dia há uma ordem tecnológica nova na indústria naval russa, na construção dos novos tipos de armas navais, [esta ordem] pressupõe, particularmente, a criação de sistemas de mísseis e torpedos eficazes para submarinos", assegurou Nenashev nesta sexta-feira (19).

    "Por isso, os projetos que hoje em dia estão em curso — Borei e outros — devido à sua eficácia e estado tecnológico são mais necessários para garantir a segurança nacional da Rússia do que os submarinos que precisam de uma modernização dispendiosa", sublinhou.

    Na opinião dele, "não é evidente que mesmo após a modernização o Akula tenha a mesma capacidade furtiva que o Borei". O especialista adiantou que os submarinos novos, no que se refere a tecnologias "stealth" e potência, têm um nível de proteção e eficiência completamente novo.

    "Em cada metro de espaço, nestes navios se pode instalar duas vezes mais equipamentos e armas que nos navios da geração anterior", explicou.

    Submarino nuclear russo Dmitry Donskoi na Dinamarca
    © REUTERS / Scanpix Denmark/Sarah Christine Noergaard
    Para Nenashev, os submarinos do projeto 941 "constituíram uma plataforma de treinamento fundamental para a preparação das tripulações dos novos projetos de submarinos".

    "Na época, a construção destes cruzadores submarinos foi o auge da indústria naval nacional. Nenhum país desenvolvido tinha um complexo militar-industrial capaz de alcançar este auge. Há mais de 40 anos, ao criar os submarinos gigantes, o nosso país demonstrou um nível altíssimo do ponto de vista científico, tecnológico e de engenharia", continuou.

    "Foi no cruzador modernizado deste projeto, Dmitry Donskoi, que se realizaram as provas dos novos mísseis intercontinentais Bulava, instalados depois nos navios do projeto Borei", resumiu.

    Os navios do projeto 941 são os maiores submarinos nucleares do mundo. O deslocamento total do navio é de 49,8 mil toneladas, seu comprimento é de 172 metros e a boca é de 23,3 metros. No total, foram construídos 6 desses cruzadores. O navio principal da classe, Dmitry Donskoi, entrou em serviço da Frota do Norte da Marinha da Rússia em 1981.

    Mais:

    Especialista sobre submarinos norte-americanos: 'Pentágono precisa de lendas'
    Pentágono mente sobre submarinos de nova geração?
    Por que os submarinos da Rússia estão deixando a OTAN muito preocupada?
    Tags:
    submarino, Akula, Borei, Marinha da Rússia, URSS, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik