16:31 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente russo, Vladimir Putin, visita a Academia Militar da Força Estratégica de Mísseis Pyotr Veliky, em 22 de dezembro de 2017, acompanhado pelo ministro da Defesa, Sergei Shoigu

    Às vésperas do Ano Novo, Putin dá sua avaliação ao preparo estratégico do exército russo

    © Sputnik / Valery Melnikov
    Defesa
    URL curta
    7121
    Nos siga no

    Hoje (22), durante o colégio de final do ano do Ministério da Defesa da Rússia, o presidente russo, Vladimir Putin, deu uma alta avaliação ao desempenho das Forças Armadas do país, assinalando que é preciso continuar sua modernização com um desenvolvimento de alta qualidade.

    "Nos próximos anos, devemos continuar nosso trabalho contínuo para um desenvolvimento eficiente das Forças Armadas. Neste sentido, queria destacar em especial que o mundo está passando por uma verdadeira reviravolta na economia, área tecnológica e do conhecimento", sublinhou o chefe de Estado.

    Na opinião do presidente, tais transformações não podem deixar de afetar a esfera militar.

    "Devemos não apenas tomar em conta estas tendências, mas também colocá-las na base da construção e planejamento militares. A Rússia deve estar entre os países líderes e, em alguns sentidos, ser o líder absoluto na construção de um exército de nova geração, um exército da época da nova ordem tecnológica", continuou o presidente.

    Ademais, Putin se mostrou preocupado com as tentativas ocidentais de "quebrar" a paridade nos sistemas de defesa antimíssil e sistemas relacionados com as armas nucleares.

    "Como já sublinhei, evidenciamos novas tentativas de quebrar a paridade estratégica com a instalação de um sistema de defesa antimíssil global, bem como de sistemas equiparáveis aos das armas nucleares, mas em versão não nuclear, o que não é muito diferente dos [sistemas] nucleares no que se trata da sua precisão e capacidades de combate", frisou.

    Além disso, o líder russo destacou o papel da operação síria na renovação das Forças Armadas russas. O presidente observou que, ao longo dos últimos anos, foram concluídas modificações estruturais e profundas no exército russo.

    "A situação em torno da Síria, foi por isso que toquei nesse tema, bem como a situação política e militar no mundo, confirmam o caráter correto e oportuno das nossas decisões no que respeita ao reforço do exército e Marinha e alocação dos recursos necessários para uma construção militar ativa", realçou.

    Putin destacou, aliás, que os militares russos na Síria "salvaram centenas de milhares de pessoas, preservaram a Síria como Estado e abriram o caminho para a resolução política do conflito interno sírio". O presidente deu uma avaliação elevada aos esforços dos militares russos no país árabe, assinalando que estes "atuaram de forma corajosa, profissional" e "eficiente".

    "As seis inspeções de larga escala que decorreram neste ano confirmaram o alto nível de preparação do exército, a capacidade de reforçar de modo rápido os destacamentos no Ártico e de criar grupos militares autossuficientes e eficazes em outras direções-chave para o nosso país", resumiu.

    Ao mesmo tempo, o comandante em chefe russo apelou ao desenvolvimento da chamada "tríade nuclear".

    "Hoje em dia, as nossas forças nucleares estão ao nível que garante uma contenção nuclear segura. Mas temos que continuar desenvolvendo-as. Até finais de 2017, a parcela dos armamentos modernos na tríade nuclear russa ascendeu a 79% e até ao ano de 2021 as armas nucleares de baseamento terrestre devem ser equipadas com equipamentos modernos a 90%, trata-se de sistemas de mísseis capazes de ultrapassar os existentes, mesmo os promissores, sistemas de defesa antiaérea", concluiu Vladimir Putin.

    Mais:

    Visita de Putin à Síria é 'um choque para o Ocidente'
    Demonstração de força: caças russos escoltam presidente Putin nos céus da Síria (VÍDEO)
    Putin ordena retirada de tropas russas da Síria
    Tags:
    armas nucleares, Forças Armadas da Rússia, Força Estratégica de Mísseis, Vladimir Putin, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar