22:40 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 200
    Nos siga no

    No local da construção de uma rodovia perto da cidade russa de Kaliningrado, arqueólogos desenterraram uma necrópole que data dos séculos III-VII d.C.

    De acordo com as informações da Autoridade Rodoviária Federal Noroeste, pesquisadores descobriram muitos artefatos, entre os quais fíbulas de bronze e prata dos antigos éstios – ancestrais dos prussianos, vários objetos de armamento, moedas romanas e vasos de cerâmica.

    Mas o artefato achado mais interessante são fichas de vidro utilizadas em um jogo de tabuleiro popular entre os séculos I-IV d.C. e chamado ludus latrunculorum, em latim, ou latrúnculo, em português. Latrúnculo era jogado na Roma Antiga, sendo uma síntese de damas e xadrez, no entanto, até agora não se sabe como eram exatamente suas regras.

    "[Este jogo] era popular nos territórios do Império Romano e nas terras habitadas por bárbaros: atuais Alemanha e Polônia e os países escandinavos. Ele é citado inúmeras vezes pelos autores romanos, mas as regras do jogo são desconhecidas", disse Konstantin Skvortsov, chefe das escavações arqueológicas do Instituto de Arqueologia da Academia de Ciências da Rússia.

    Trata-se de uma descoberta única – quase uma centena de fichas de vidro romano perfeitamente preservadas em um saco que pertenciam a uma pessoa. De acordo com cientistas, normalmente são encontradas entre 10 a 30 peças. Na região de Kaliningrado esta é a primeira descoberta deste tipo em 170 anos.

    Após a conclusão dos trabalhos arqueológicos, os artefatos serão transferidos para um dos museus da cidade.

    Mais:

    Fóssil de verme de 500 milhões de anos pode desvendar mistérios da Terra (FOTO)
    Guerreiro é encontrado ao lado de seus cavalo e cão em cemitério de 2.500 anos no Reino Unido (FOTO)
    Descobrem no Tibete 'obra de arte mais antiga do mundo' deixada por crianças pré-históricas (FOTOS)
    Tags:
    Império Romano, Rússia, arqueologia, escavação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar