18:53 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0101
    Nos siga no

    Além de seu apelo visual, as imagens compiladas pelos astrônomos revelam detalhes sem precedentes de como as galáxias surgiram no espaço.

    Cientistas conseguiram criar imagens em alta definição de galáxias distantes, informa um comunicado do Instituto de Radioastronomia dos Países Baixos (ASTRON).

    As observações foram feitas utilizando a LOw Frequency ARray (LOFAR), a maior rede de radiotelescópios de baixa frequência atualmente em operação na Terra, tendo a capacidade de combinar observações de cerca de 70.000 antenas espalhadas pela Europa usando uma técnica chamada radiointerferometria, que lhe permite tomar algumas das observações de rádio mais sensíveis do céu noturno.

    Esta tecnologia já forneceu aos cientistas dados valiosos sobre o Universo, mas as novas observações superam as informações coletadas até agora por oferecerem 20 vezes a resolução usual. Isto porque as operações padrão do LOFAR utilizam apenas as antenas localizadas nos Países Baixos, que cobrem uma área de 120 quilômetros, enquanto as novas imagens de alta resolução foram obtidas de uma rede de radiotelescópios espalhados pela Europa cobrindo uma área de 2.000 quilômetros.

    As observações da LOw Frequency ARray (LOFAR) revelam a estrutura de uma galáxia distante cuja luz foi dobrada pela gravidade ao redor de um aglomerado maciço de galáxias em sua frente
    As observações da LOw Frequency ARray (LOFAR) revelam a estrutura de uma galáxia distante cuja luz foi dobrada pela gravidade ao redor de um aglomerado maciço de galáxias em sua frente

    "Nosso objetivo é que isto permita à comunidade científica utilizar toda a rede europeia de telescópios LOFAR para sua própria ciência, sem ter que passar anos para se tornar especialista", disse Leah Morabito, astrônoma da Universidade de Durham, Reino Unido, ao ASTRON.

    Jatos de partículas de buracos negros

    Um total de 11 estudos publicados na edição especial da revista Astronomy & Astrophysics são dedicados a um dos mais surpreendentes fenômenos associados ao comportamento galáctico: os jatos de partículas relativistas lançados no espaço intergaláctico pelos buracos negros supermassivos que estão ativos no centro das galáxias, que apenas podem ser vistos em comprimentos de onda de rádio.

    Enquanto o resto dos resultados usam a antena de banda alta LOw Frequency ARray (LOFAR), logo acima da banda de rádio FM, esta é uma galeria de como os jatos de rádio de buracos negros aparecem nas frequências mais baixas, logo abaixo da banda de rádio FM, onde o comprimento de onda é cinco vezes maior e estamos olhando para os elétrones mais antigos
    © Foto / C. Groeneveld
    Enquanto o resto dos resultados usam a antena de banda alta LOw Frequency ARray (LOFAR), logo acima da banda de rádio FM, esta é uma galeria de como os jatos de rádio de buracos negros aparecem nas frequências mais baixas, logo abaixo da banda de rádio FM, onde o comprimento de onda é cinco vezes maior e estamos olhando para os elétrones mais antigos

    Sabe-se que quando algo passa o limiar crítico de um buraco negro, chamado horizonte de eventos, torna-se impossível escapar da atração gravitacional. Mas a região em torno de um buraco negro ativo é muito dinâmica, com o material girando em um disco ao redor do buraco negro, semelhante ao que acontece quando a água desce por um dreno.

    "Estas imagens de alta resolução nos permitem ampliar para ver o que realmente acontece quando os buracos negros supermassivos lançam jatos de rádio, o que antes não era possível em frequências próximas à banda de rádio FM", explicou Neal Jackson, astrônomo da Universidade de Manchester, Reino Unido, ao ASTRON, em referência ao material que flui dos centros de algumas galáxias a uma velocidade próxima à da luz, e que emite fortes ondas de rádio.

    As galáxias analisadas incluem a 3C 293, uma galáxia com enormes e peculiares lóbulos de rádio que sugerem um fluxo de jato interrompido. Os pesquisadores concluíram que a galáxia passou por múltiplos períodos de atividade devido a interrupções de jatos e abastecimento intermitente de combustível, sugerindo que seu buraco negro supermassivo passou por pelo menos um período de inatividade.

    Vento do tamanho de uma galáxia é revelado saindo de uma gigantesca fábrica estelar, em um núcleo envolto em poeira, que foi acionado quando duas galáxias se fundem
    Vento do tamanho de uma galáxia é revelado saindo de uma gigantesca fábrica estelar, em um núcleo envolto em poeira, que foi acionado quando duas galáxias se fundem

    Além disso, foi analisada uma galáxia que viajou mais de 11 bilhões de anos-luz, algo que geralmente é bastante difícil de observar em detalhe em baixas frequências.

    Mais:

    Telescópio Hubble capta FOTO de 'briga entre irmãos galácticos' a 763 milhões de anos-luz
    Astrônomos mostram imagens detalhadas de jato ejetado de buraco negro supermassivo (VÍDEO)
    Após mais de 1 mês parado, Hubble retoma observações e envia novas imagens (FOTOS, VÍDEO)
    Tags:
    Universidade de Manchester, Reino Unido, Países Baixos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar