03:56 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2141
    Nos siga no

    O observatório Spektr-RG, instalado em órbita da Terra e composto por dois telescópios, está confirmando o modelo cosmológico do Big Bang com suas descobertas.

    As descobertas feitas pelo observatório orbital russo-alemão Spektr-RG confirmam a teoria cosmológica dominante sobre o desenvolvimento inicial do Universo a partir do Big Bang, disse à Sputnik o secretário do Instituto de Pesquisa Espacial da Rússia, Andrei Sadovsky.

    "O modelo do Big Bang está sendo confirmado. Uma das descobertas foi um quasar muito distante, que se formou nas etapas precoces do Universo", afirmou Sadovsky.

    Os quasares são buracos negros supermassivos muito brilhantes, distantes e ativos, sendo bilhões de vezes maiores que o Sol. Eles geralmente estão localizados no centro das galáxias, são corpos celestes de luminosidade muito alta, sendo os maiores emissores de energia.

    A teoria do Big Bang descreve o nascimento do Universo da singularidade, o ponto de menor tamanho com densidade e temperatura infinitas. É a teoria cosmológica de formação do Universo mais cientificamente aceita e bem desenvolvida até o momento, confirmada por observações científicas.

    O observatório Spektr-RG foi lançado em 2019 e tem dois telescópios a bordo: o alemão eROSITA e o russo ART-XC. O observatório já completou o terceiro mapeamento de todo o céu. O objetivo do Spektr-RG é criar um mapa do Universo em quatro anos, tirando fotos de alta resolução no espectro de raios X.

    Anteriormente, o telescópio eROSITA registrou o início da destruição de uma estrela por um buraco negro supermassivo no centro da galáxia, à distância de 2,5 bilhões de anos-luz do Sol.

    Mais:

    Fragmento de rocha extraído de Stonehenge há 60 anos contém grânulos de 1,6 bilhão de anos (FOTO)
    Oxigênio esteve ligado à maior extinção em massa da Terra há 252 milhões de anos, diz estudo
    Arqueólogos descobrem detalhes do cerco da cidade natal de Golias (FOTOS)
    Campo magnético de curta duração da Lua pode estar 'morto' há 4 bilhões de anos, revela estudo
    Tags:
    Universo, Big Bang, observatório, telescópio, teoria, cientistas, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar