14:27 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0192
    Nos siga no

    Arqueólogos descobriram restos mortais de um cachorro de caça pré-histórico no acampamento de Dmanisi, na Geórgia. Os achados datam de cerca de 1,8 milhão de anos, sendo o cão de caça mais antigo.

    Arqueólogos italianos encontraram dentes e partes da mandíbula de um cachorro grande. Os cientistas, junto com pesquisadores da Geórgia e Espanha, analisaram os restos e revelaram que têm entre 1,77 milhão e 1,76 milhão de anos, segundo estudo publicado na revista Scientific Reports.

    Considerando que os cachorros selvagens se moviam da Ásia em direção à Europa e África, os cientistas sugerem que eles se depararam com os humanos no Cáucaso. Eles chegaram à Europa já acompanhando os humanos há cerca de 1,8 milhão a 0,8 milhão de anos. Mais tarde, os humanos levaram os cães para África.

    Os cientistas revelam que o cachorro era carnívoro, com presença de mais de 70% de carne na alimentação, após terem estudado seus dentes. Eles não encontraram abrasão dentária, então o animal seria jovem, mas grande, teria cerca de 30 quilos. As características dentárias correspondem aos canídeos selvagens do Pleistoceno.

    Dentes e partes da mandíbula de um cachorro antigo, que tem entre 1,77 milhão e 1,76 milhão de anos, encontrados no acampamento de Dmanisi, na Geórgia
    © Foto / S. Bartolini-Lucenti
    Dentes e partes da mandíbula de um cachorro antigo, que tem entre 1,77 milhão e 1,76 milhão de anos, encontrados no acampamento de Dmanisi, na Geórgia

    Os restos mortais provavelmente pertencem à espécie Canis (Xenocyon) lycaonoides, o cachorro de caça eurasiático. Acredita-se que esta espécie surgiu na Ásia Oriental e foi o ancestral de cachorros de caça africanos. Os numerosos fósseis revelam que os cachorros desta espécie caçavam coletivamente, inclusive atacavam manadas.

    Ao contrário de outros cachorros de grande tamanho, os cães de caça eurasiáticos eram capazes de prestar cuidados socialmente. Eles traziam alimento aos cães fracos e doentes da matilha. Além do ser humano, são o único mamífero com conduta altruísta em relação a membros não aparentados de seu grupo.

    Os cientistas sugerem que o altruísmo do cachorro poderia ser a razão de, ainda no período pré-histórico, ele se tornar o melhor amigo do humano.

    Mais:

    Descobrem na Turquia 'salas de jantar' esculpidas em pedra na época romana (FOTOS)
    Arqueólogos descobrem urna de 4 mil anos com restos de mulher grávida de gêmeos (FOTOS)
    Rara 'rodovia' romana de 2 mil anos é desenterrada durante obras em dique nos Países Baixos (FOTO)
    Esqueletos de peixes de 2.300 anos encontrados na Turquia revelam hábitos alimentares antigos (FOTO)
    Tags:
    cachorro, cães, cientistas, humano, África, dentes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar