17:07 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    161
    Nos siga no

    Cientistas da agência espacial dos EUA estudaram a presença de metano no Planeta Vermelho e chegaram a uma conclusão sobre como o gás pode muitas vezes parecer não existir em Marte.

    Cientistas da agência espacial norte-americana NASA afirmam ter revisto os dados do metano capturados previamente em Marte, e coletado novos, encontrando um padrão de como ele surge, depois que astrônomos da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) referiram não ter visto vestígios desse gás.

    "Quando a equipe europeia anunciou que não viu metano, eu fiquei realmente chocado", comentou em comunicado Chris Webster, cientista planetário do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

    Os pesquisadores norte-americanos então reviram os dados do rover Curiosity, que tem enviado informação desde Marte sobre o Planeta Vermelho, incluindo vestígios minúsculos de metano, que além de poderem ser resultado de um processo geológico, podem indicar a presença de algum tipo de vida.

    A equipe descobriu no estudo, que foi publicado na revista Astronomy & Astrophysics que a razão de a ESA não ter encontrado o gás deve-se a ele se diluir muito na atmosfera durante o dia em Marte, o que o impede de ser detectado a uma distância tão grande. Durante a noite, por sua vez, o gás fica na superfície do planeta.

    Essa teoria foi confirmada após os cientistas realizarem medições de alta precisão do metano durante dois anos, incluindo pela primeira vez durante a luz do dia. Tal como previsto, o gás permaneceu na superfície durante a noite e se dissolveu na atmosfera durante o dia.

    No entanto, também se sabe que o metano não parece estar se acumulando na atmosfera em Marte ao longo do tempo e os pesquisadores estão agora testando a razão do fenômeno.

    Mais:

    Fenômeno raro: rover da NASA registra em Marte nuvens brilhantes de gelo seco (FOTO, VÍDEOS)
    VÍDEO captura rover Curiosity escalando Mont Mercou em Marte
    Efeito estufa em Marte? Cientistas explicam como Planeta Vermelho era quente em seu início
    Tags:
    Marte, EUA, NASA, Agência Espacial Europeia (ESA), Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, Curiosity, Sol
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar