15:24 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Novo estudo de Harvard revela que tamanho das gotas de chuva pode ajudar a identificar planetas potencialmente habitáveis fora de nosso Sistema Solar e até ajudar a compreender melhor o clima da própria Terra.

    Pesquisadores de Harvard descobriram que as gotas de chuva são notavelmente semelhantes em diferentes ambientes planetários, até mesmo planetas tão drasticamente diferentes como Terra e Júpiter.

    Para eles, compreender o comportamento das gotas de chuva em outros planetas é a chave não apenas para revelar antigos climas em planetas como Marte, mas também para identificar planetas potencialmente habitáveis fora do nosso Sistema Solar. O estudo foi publicado no Journal of Geophysical Research.

    "O ciclo de vida das nuvens é realmente importante quando pensamos sobre a habitabilidade do planeta", disse Kaitlyn Loftus, aluna de pós-graduação do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias e principal autora do recente artigo.

    A cientista explica que segue a procura de maneiras mais simples de entender como as nuvens evoluem, e o primeiro passo é verificar se as gotículas de nuvem evaporam na atmosfera ou chegam à superfície como chuva.

    "A humilde gota de chuva é um componente vital do ciclo de precipitação para todos os planetas", disse Robin Wordsworth, professor associado de Ciência Ambiental e Engenharia da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas John A. Paulson de Harvard (SEAS, na silga em inglês) e autor sênior do artigo.

    Um aspecto essencial do comportamento da gota de chuva, pelo menos para modeladores climáticos, é se a gota de chuva chega ou não à superfície do planeta, porque a água na atmosfera desempenha um grande papel no clima planetário. Para esse fim, o tamanho da gota importa.

    Quando a gota for grande demais, a queda a quebrará devido à tensão superficial insuficiente, independentemente de ser água, metano ou ferro líquido superaquecido. Já sendo muito pequena, a gota pode evaporar antes de atingir a superfície.

    Loftus e Wordsworth identificaram uma zona ideal para o tamanho da gota de chuva usando apenas três propriedades: forma da gota, velocidade de queda e velocidade de evaporação.

    Uma comparação de gotas de chuva alienígenas. Qual seria o tamanho das gotas de chuva em outros mundos do nosso sistema solar? Infográfico compara o tamanho projetado de gotas de chuva em diferentes planetas. Observe que Titã e Marte, nas condições atuais, são muito frios para gotas de chuva de água líquida
    © Foto / AGU
    Uma comparação de gotas de chuva alienígenas. Qual seria o tamanho das gotas de chuva em outros mundos do nosso sistema solar? Infográfico compara o tamanho projetado de gotas de chuva em diferentes planetas. Observe que Titã e Marte, nas condições atuais, são muito frios para gotas de chuva de água líquida

    As formas das gotas são iguais em diferentes materiais de chuva e dependem principalmente de quão pesada é a gota. Embora no senso comum imaginemos a gota tradicional em forma de lágrima, as gotas de chuva são, na verdade, esféricas quando pequenas, tornando-se achatadas à medida que aumentam de tamanho, até assumir a forma de um pão de sanduíche.

    A velocidade de queda depende do formato, bem como da gravidade e da espessura do ar circundante. A velocidade de evaporação é mais complicada, pois pode ser influenciada pela composição atmosférica, pressão, temperatura, umidade relativa e muito mais.

    Levando todas essas propriedades em consideração, Loftus e Wordsworth descobriram que em uma ampla gama de condições planetárias, a matemática da queda de gotas de chuva significa que apenas uma fração muito pequena dos tamanhos possíveis de gota em uma nuvem pode atingir a superfície.

    "Podemos usar esse comportamento para nos guiar enquanto modelamos os ciclos de nuvem em exoplanetas", disse Loftus. E Wordsworth complementa: "as percepções que ganhamos ao pensar sobre gotas de chuva e nuvens em diversos ambientes são fundamentais para entender a habitabilidade dos exoplanetas. A longo prazo, elas também podem nos ajudar a obter uma compreensão mais profunda do clima da própria Terra", explica.

    Mais:

    Exoplaneta parece criar sua própria atmosfera por meio da atividade vulcânica e intriga cientistas
    Astrônomos detectam possível exoplaneta 'superquente' orbitando estrela Vega
    Vida poderia estar escondida debaixo da superfície de Marte, aponta estudo
    Em busca da vida, NASA investiga semelhanças entre sedimentos de Marte e do lago Salda, na Turquia
    Tags:
    Titã, Terra, chuva, habitável, exoplanetas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar