11:47 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Pesquisa japonesa mostra que a radiação cósmica, vista como um dos maiores obstáculos às tentativas da humanidade de conquistar o espaço por danificar equipamentos eletrônicos e o DNA humano levando à mutações, na verdade não afeta espermatozoides de mamíferos.

    Os cientistas ainda não sabem se os humanos serão capazes de chegar a Marte, mas se o fizerem, talvez possam ser capazes de povoá-lo, de acordo com pesquisadores japoneses. No estudo, publicado nesta sexta-feira (11) na revista Science Advances, foram observados os espermatozoides de camundongos que passaram cerca de três anos a bordo da Estação Espacial Internacional e não foram danificados pela radiação cósmica.

    Não apenas o esperma do rato ficou ileso, como também os cientistas conseguiram usar o material para fertilizar óvulos com sucesso na Terra. As mamães ratinhas deram à luz 168 filhotes saudáveis. Todos eles tinham uma aparência saudável e não havia anormalidades em seus genes.

    Ratos laboratoriais
    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Ratos laboratoriais

    Segundo o estudo, os espermatozoides dos mamíferos poderiam ainda sobreviver no espaço por 200 anos sem risco de danos ao DNA. Os resultados dos experimentos de irradiação de raios X no solo mostraram que os espermatozoides são muito resistentes. 

    "Os espermatozoides liofilizados podem [ainda] produzir a próxima geração quando irradiados com até 30 Gy de raios X", disse Sayaka Wakayama da Universidade de Yamanashi.

    Os cientistas afirmam que novas pesquisas podem lançar luz sobre os efeitos da radiação nas formas de vida que passam longos períodos no espaço.

    Mais:

    Encontrado pênis de 3.000 anos utilizado em rituais de fertilidade (FOTO)
    Pesquisadores chineses apresentam projeto para criar solo fértil em Marte
    Descoberto espermatozoide mais antigo do mundo em âmbar de 100 milhões de anos
    Tags:
    ratos, esperma, DNA, Japão, Marte, radiação, raios cósmicos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar