18:25 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    O asteroide 2018 LA caiu em Botsuana em 2018 a uma velocidade de 60.000 km/h. Agora os cientistas foram capazes de rastreá-lo por 22 milhões de anos até o local de onde ele se originou.

    Pela primeira vez, astrônomos foram capazes de rastrear toda a viagem de um meteorito à Terra, e é apenas a segunda vez que os cientistas conseguiram observar um asteroide no espaço antes de entrar na atmosfera e se tornar um meteoro. Os resultados da pesquisa serão publicados em breve na revista científica Meteoritics and Planetary Science.

    O asteroide 2018 LA colidiu contra a Terra no deserto de Kalahari, Botsuana, em 2 de junho de 2018.  Após análises de fragmentos do meteorito, os cientistas apontam a origem de 2018 LA como Vesta, o segundo maior asteroide do Sistema Solar e o único que às vezes pode ser visto da Terra a olho nu. Os cientistas agora foram capazes de rastrear a rota dele de 22 milhões de anos até o local de onde ele se originou.

    "A análise do meteorito indica que ele foi enterrado profundamente sob a superfície de Vesta antes de ser ejetado anos atrás […]. Esta pesquisa nos permite mapear progressivamente a composição do cinturão de asteroides, e podemos ter uma ideia melhor do tipo de material de que os asteroides ameaçadores da Terra são feitos", afirma Hadrien Devillepoix, coautor do estudo, citado pelo portal Science Alert.

    A chave para a análise da trajetória foram as imagens de 2018 LA no espaço, que foram obtidas pelo telescópio ANU, que fica na Austrália. Com dados de outros telescópios e imagens locais que mostram os últimos momentos antes do impacto em Botsuana, para descobrir de onde o meteorito tinha vindo.

    "Os materiais mais antigos conhecidos encontrados tanto em Vesta quanto no meteorito são grãos de zircão que datam de mais de 4,5 bilhões de anos atrás, durante a fase inicial do Sistema Solar", explica Christopher Onken, coautor do estudo.

    20 mil vezes mais brilhante que Lua cheia

    Quando o asteroide LA 2018 atingiu a atmosfera da Terra, estava viajando a cerca de 60.000 quilômetros por hora. Ele teria um diâmetro de 1,5 metro e um peso de cerca de 5.700 quilogramas.

    C​omunicado de imprensa: uma equipe internacional de pesquisadores procurou por pedaços de um pequeno asteroide rastreado no espaço e, em seguida, observou o impacto em Botswana em 2 de junho de 2018. "[2018 LA] provavelmente veio de Vesta", afirmou Peter Jenniskens, astrônomo do Instituto SETI

    O meteoro teria se quebrado cerca de 27 quilômetros acima do solo e criou um brilho 20 mil vezes mais brilhante do que a Lua cheia ao entrar na atmosfera da Terra.

    "O meteorito é chamado de 'Motopi Pan' em homenagem a um poço local [...]. Este meteorito é um tesouro nacional do Botswana", comenta Mohutsiwa Gabadirwe, geocientista do Instituto de Geociências de Botswana.

    Mais:

    Jato gigante detectado em buraco negro no Universo primitivo pode revelar mistério astronômico
    Lentes cósmicas detectam pequenas galáxias que podem ser menores emissoras de rádio no Universo
    Primeiras estruturas do Universo após Big Bang eram microscópicas, sugere estudo (FOTO)
    Cometa interestelar 2I/Borisov é o mais puro e inalterado do Universo, dizem novos estudos
    Tags:
    Botsuana, asteroide, meteorito, meteoro, Universo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar