23:49 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    020
    Nos siga no

    Usando o telescópio VLT do Observatório Europeu do Sul no Atacama (Chile) astrônomos descobriram o quasar mais distante de todos que emite fluxos de radiação, localizado à distância de 13 milhões de anos-luz da Terra.

    Os quasares são corpos celestes de luminosidade muito alta, localizados no centro de algumas galáxias, sendo os maiores emissores de energia. De acordo com os conceitos modernos, os quasares são os núcleos ativos das galáxias nas etapas iniciais de desenvolvimento, nos quais um buraco negro supermassivo absorve a matéria circundante, formando um disco de acreção, ou acumulação.

    Quando um buraco negro interage com o gás circundante, é liberada uma enorme quantidade de energia, o que permite aos astrônomos detectá-lo, apesar das enormes distâncias.

    Os cientistas descobriram o quasar mais distante até o momento que emite poderosos jatos, fluxos de radiação em forma de ondas de rádio, o P172+18, de acordo com o estudo publicado na revista The Astrophysical Journal.

    Este quasar está tão distante que sua luz levou 13 bilhões de anos para chegar até nós, o que significa que o telescópio registrou como era a luz do quasar quando o Universo tinha apenas 780 milhões de anos.

    Embora tenham sido descobertos quasares mais distantes, esta é a primeira vez que os astrônomos obtiveram evidências claras da existência de jatos de ondas de rádio de um quasar em uma etapa tão precoce da história do Universo. Apenas cerca de 10% dos quasares – os que emitem fortes ondas de rádio – têm jatos que brilham intensamente nas frequências rádio.

    Representação artística do quasar P172+18
    Representação artística do quasar P172+18
    Durante as observações, os cientistas determinaram os parâmetros-chave do quasar P172+18, como a massa do buraco negro e a velocidade de absorção da matéria circundante. Foi descoberto que a energia da radiação do quasar é fornecida por um buraco negro com uma massa de cerca de 300 milhões de massas solares, absorvendo o gás em grandes quantidades.

    "O buraco negro está consumindo matéria muito rapidamente, crescendo em massa a uma das taxas mais altas já observadas", disse Chiara Mazzucchelli, uma das autoras do estudo.

    Os cientistas sugerem que há uma conexão entre o crescimento rápido de um buraco negro supermassivo e a presença de poderosos jatos de rádio em quasares como o P172+18.

    Aparentemente, os jatos são capazes de perturbar o gás ao redor do buraco negro, aumentando assim a velocidade à qual o gás é capturado. O processo explica como os buracos negros na etapa precoce do Universo foram capazes de crescer tão rápido até proporções supermassivas após o Big Bang.

    Os pesquisadores acreditam que este quasar é apenas o primeiro de muitos objetos desse tipo que estariam a distâncias cosmológicas ainda mais distantes.

    "Esta descoberta me deixa otimista e acredito e espero que o recorde de distância seja quebrado em breve", comentou outro participante do estudo, Eduardo Bañados, do Instituto de Astronomia Max Planck, Alemanha.

    Mais:

    Periferia da Via Láctea já foi mais propícia à vida do que localização central da Terra, diz estudo
    Cientistas recriam miniburaco negro para comprovar teoria de que eles emitem luz
    Pedaço de protoplaneta encontrado na Argélia é mais antigo que a Terra (FOTO)
    Astrônomos encontram evidências de atividade vulcânica em exoplaneta a 45 anos-luz da Terra
    Cientistas propõem teoria 'maluca' que explicaria algumas das explosões galácticas mais brilhantes
    Tags:
    espaço, buraco negro, luz, energia, radiação, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar