07:42 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    A pesquisa demonstrou que grandes dinossauros, como o T-rex, que cresceram de um pequeno tamanho até se tornarem criaturas enormes, modificaram seus ecossistemas ao competirem com espécies rivais menores.

    Um estudo publicado nesta sexta-feira (26), no portal Science, ajuda a responder a um mistério duradouro sobre dinossauros: por que havia bem mais espécies gigantes do que pequenas? Porque a Terra teve animais enormes, como eles eram, e passou a abrigar animais de portes menores, como são os mamíferos hoje?

    "As comunidades de dinossauros eram como shoppings em uma tarde de sábado, lotados de adolescentes. Eles constituíam uma parte significativa dos indivíduos de uma espécie e teriam um impacto muito real sobre os recursos disponíveis nas comunidades", disse Katlin Schroeder, estudante da Universidade do Novo México (EUA) que liderou a pesquisa citada pelo Science Alert.

    Durante o período Mesozoico, entre 252 e 66 milhões de anos atrás, havia relativamente mais espécies grandes de dinossauros que pesavam uma tonelada, se comparados aos que pesavam menos de 60 quilos. Segundo os cientistas, partindo do princípio que mesmo que os dinossauros maiores iniciassem a vida com um tamanho muito pequeno, eles poderiam ter usado diferentes recursos à medida que cresciam, ocupando o espaço em ecossistemas onde espécies menores poderiam ter reinado.

    Representação ilustrativa de como os dinossauros saíam de forma radical de um pequeno tamanho para outro gigante, o qual ficavam até o final da vida, sem ter um meio-termo como os mamíferos
    © Foto / Katlin Schroeder
    Representação ilustrativa de como os dinossauros saíam de forma radical de um pequeno tamanho para outro gigante, o qual ficavam até o final da vida, sem ter um meio-termo como os mamíferos

    Os pesquisadores buscaram trazer essa resposta ao examinarem dados de fósseis de dinossauros ao redor do mundo, incluindo mais de 550 espécies, os organizando por herbívoros ou carnívoros, bem como seus tamanhos.

    "Muito poucos dinossauros carnívoros de 100 a 1.000 quilos existem em comunidades com megaterópodes. E os megaterópodes jovens se encaixam exatamente esse espaço", disse Schroeder.

    A conclusão é respaldada pela forma como os diversos dinossauros evoluíram com o tempo. O Jurássico (entre 200 e 145 milhões de anos atrás) apresentava lacunas menores nessa categoria, enquanto o Cretáceo (entre 145 e 65 milhões de anos atrás) apresentava grandes lacunas, o que se deve ao fato de que os megaterópodes adolescentes do Jurássico pareciam mais com adultos e tinham uma variedade maior de herbívoros para caçar.

    Porém, mesmo com um número limitado de fósseis, especialistas acreditam que, em nível mundial, os dinossauros não apresentavam muita diversidade. Existem apenas cerca de 1,5 mil espécies conhecidas, em comparação com dezenas de milhares de espécies de mamíferos e aves na atualidade.

    Mais:

    Novos fósseis descobertos revelam primatas contemporâneos de dinossauros (FOTO)
    Revelada origem do cometa destruidor dos dinossauros
    Vizinho de dinossauros: nova espécie extinta descoberta na Argentina
    Tags:
    ciência, paleontologia, pesquisa, dinossauro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar