12:18 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 51
    Nos siga no

    Astrônomos descobriram um sistema composto por seis exoplanetas que orbitam uma estrela em uma ressonância orbital precisa, em contraste a outros sistemas planetários desprovidos deste padrão. A distribuição dos planetas por densidade também é única.

    A estrela TOI-178, que está a 200 anos-luz da Terra na constelação do Escultor, é orbitada por seis exoplanetas. Cinco deles, tirando o mais próximo da estrela, estão em ressonância orbital. Os resultados foram publicados na revista científica Astronomy & Astrophysics.

    Cinco planetas exteriores do sistema TOI-178 possuem uma ressonância de 18: 9: 6: 4: 3 entre si. Trata-se da ressonância mais longa conhecida.

    Na verdade, os pesquisadores encontraram apenas cinco planetas, mas, segundo o ritmo de ressonância calculado, identificaram onde está mais um planeta. Cientistas planejam localizar o planeta quando tiverem uma janela para observações do sistema.

    Para estudar a arquitetura do sistema TOI-178, os autores usaram dados do telescópio CHEOPS da Agência Espacial Europeia, do espectrógrafo ESPRESSO, localizado no telescópio VLT da ESO, e do sistema robotizado terrestre para procurar exoplanetas NGTS do observatório Paranal no Chile, unidos no projeto SPECULOOS.

    Representação artística do sistema planetário TOI-178 do ponto de vista do planeta mais distante
    © Foto / ESO / L. Calçada / spaceengine.org
    Representação artística do sistema planetário TOI-178 do ponto de vista do planeta mais distante

    Os pesquisadores usaram ambos os métodos conhecidos para localizar os exoplanetas: método de trânsito, com dados do CHEOPS, NGTS e SPECULOOS, e medição da velocidade radial, com espectrógrafo ESPRESSO. Usando esses métodos, os astrônomos conseguiram encontrar informação-chave sobre planetas do sistema TOI-178 localizados mais perto de sua estrela que a Terra está em relação ao Sol. Além disso, os planetas são muito mais rápidos do que a Terra.

    O planeta interior mais rápido completa sua órbita em apenas uns dias, e o mais lento demora dez vezes mais para completar a órbita. O raio do planeta TOA-178 é de um a três raios da Terra, sua massa é de 1,5 a 30 vezes maior.

    Além disso, a distribuição de densidade nos planetas do TOI-178 difere da nos planetas do Sistema Solar. Os exoplanetas rochosos são maiores e considerados superterras. Os exoplanetas gasosos, ao contrário dos gigantes gasosos da zona exterior do Sistema Solar, são menores e considerados mininetunos.

    "Esse contraste entre a harmonia de ritmo do movimento orbital e densidade confusa, com certeza, desafia nosso entendimento de formação e evolução dos sistemas planetários", afirmou o diretor da pesquisa Adrien Leleu, da Universidade de Genebra e da Universidade de Berna, Suíça.

    Os planetas do Sistema Solar estão em uma ordem certa: os planetas mais rochosos e mais densos estão mais próximo do Sol, os planetas de menor densidade estão mais longe.

    "Aqui vemos que perto de um planeta tão denso como a Terra, está um planeta com a densidade duas vezes menor da de Netuno, seguido por um planeta de densidade igual à de Netuno. Isso não é a que estamos acostumados", declarou o autor do estudo Nathan Hara, da Universidade de Genebra.

    Os autores consideram que o estudo próximo do sistema planetário TOI-178 dará dicas importantes sobre o processo da formação e evolução dos planetas em sistemas planetários.

    Mais:

    'Megaestrutura alienígena' pode ser estrela: cientistas acham pista sobre objeto enigmático (FOTO)
    Astrofísicos descobrem 'plumas' na coroa solar (FOTO)
    NASA revela quando asteroide 'potencialmente perigoso' poderia atingir Terra
    Raras estrelas ultravioletas são detectadas em aglomerado 'jurássico' na Via Láctea (FOTO)
    Ciclos solares de quase 1.000 d.C. são revelados por radiocarbono em anéis de árvores
    Tags:
    Sistema Solar, exoplaneta, estrelas, órbita, Sol, planeta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar