17:11 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    125
    Nos siga no

    Pesquisas no México sugerem que os conquistadores espanhóis assassinaram brutalmente mulheres e crianças de cidade aliada aos astecas em um ato de vingança de 1521.

    Em junho de 1520, os acolhuas, um povo aliado aos astecas, que habitavam a cidade de Zultépec-Tecoaque, atual centro do México, capturaram um comboio de conquistadores espanhóis. Tudo indica que os 450 membros do grupo, composto por homens, mulheres, crianças, homens de infantaria e aliados de grupos indígenas, foram assassinados em poucos meses.

    Ao saber o que havia acontecido, Hernán Cortés ordenou que seu chefe de polícia, Gonzalo de Sandoval, destruísse a cidade como medida de retaliação, nos primeiros meses de 1521, relata o Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH, na sigla em espanhol).

    Os eventos são relatados em vários textos históricos, e as descobertas realizadas durante três décadas de trabalho de escavação na localidade, recentemente publicadas pelo INAH, parecem corroborar sua veracidade.

    Mulheres e crianças mutiladas em seus aposentos durante ataque de conquistadores espanhóis, como evidenciado pelos ossos
    © Foto / Instituto Nacional de Antropologia e História do México / Melitón Tapia
    Mulheres e crianças mutiladas em seus aposentos durante ataque de conquistadores espanhóis, como evidenciado pelos ossos

    Os arqueólogos localizaram em Zultépec-Tecoaque os restos mortais dos membros do grupo espanhol. Os cativos foram oferecidos às divindades locais durante oito meses e tiveram mortes agonizantes, inclusive com evidências de canibalismo, razão pela qual a localidade recebeu o nome de Tecoaque, que em Nahuatl significa "onde eles foram comidos".

    "Em Zultépec-Tecoaque, os prisioneiros foram trancados em celas sem portas, e foram alimentados por seis meses, de acordo com os especialistas. Pouco a pouco, os habitantes de Zultépec-Tecoaque massacraram e aparentemente comeram cavalos, homens e mulheres. [...] Os esqueletos dos europeus capturados foram mutilados e mantiveram marcas de corte indicando que a carne tinha sido retirada dos ossos", detalha a revista National Geographic.

    Segundo o arqueólogo Enrique Martínez Vargas, as escavações sugerem que os habitantes de Zultépec-Tecoaque sabiam, ou pelo menos esperavam, que Cortés se vingaria deles, como indicam as estruturas defensivas primitivas, erguidas apressadamente pelo povo. Além disso, descobriu-se que os restos mortais dos espanhóis e outras evidências dos sacrifícios foram jogados em poços rasos (aljibes), em uma tentativa de escondê-los.

    © Foto / Instituto Nacional de Antropologia e História do México / Melitón Tapia
    Археолог проводит раскопки в одном из 22 колодцев, расположенных в Зультепек-Текоаке

    As escavações revelaram que nenhuma das defesas construídas funcionou como esperado. Sandoval e sua expedição punitiva entraram na cidade sem problemas. De acordo com um comunicado do INAH, alguns dos guerreiros conseguiram escapar, mas as mulheres e as crianças permaneceram, tornando-se, assim, as principais vítimas deste massacre.

    Panorama da cidade Zultépec-Tecoaque, onde em 1520-1521 houve um ataque contra os espanhóis e uma represália por parte deles
    © Foto / Instituto Nacional de Antropologia e História do México / Melitón Tapia
    Panorama da cidade Zultépec-Tecoaque, onde em 1520-1521 houve um ataque contra os espanhóis e uma represália por parte deles

    "As mulheres e crianças que permaneceram abrigadas em seus aposentos foram, por sua vez, mutiladas, como evidenciado pela recuperação dos ossos cortados no chão dos quartos. Os templos também foram queimados, e as esculturas de deuses, decapitadas, destruindo, assim, este local que representava uma resistência a Cortés", conta o arqueólogo, citado pelo INAH.

    Até agora, mais de 25.000 objetos foram exumados em uma área de escavação de 3,5 hectares dos 32 hectares que compõem o sítio arqueológico de Zultépec-Tecoaque, relatou a organização.

    Mais:

    Ruínas de palácio asteca e de casa do conquistador espanhol Cortés são achadas no México (FOTOS)
    Fósseis de 500 anos revelam 1ª geração de africanos levados para as Américas
    Âncoras de ferro do século XVI são descobertas no México (FOTOS)
    Tags:
    México, Espanha, National Geographic
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar