16:26 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    177
    Nos siga no

    Os micróbios e as bactérias estavam presentes em argilas enterradas no fundo do mar do oceano Pacífico e são apontados como os organismos vivos mais antigos do planeta Terra.

    Um grupo de cientistas dos Estados unidos e do Japão conseguiu "acordar" bactérias de mais de 100 milhões de anos. Os micróbios estavam adormecidos nas profundezas do oceano Pacífico e acredita-se que esses micróbios sejam os organismos mais antigos do nosso planeta. A descoberta foi publicada nesta terça-feira (28) na revista científica Nature Communications.

    "É surpreendente e biologicamente desafiador que uma grande fração dos micróbios tenha sido capaz de reviver após muito tempo enterrada ou presa sob condições extremamente baixas de nutrientes e energia", afirmou à agência Reuters Yuri Morono, geomicrobiologista da Agência de Ciência e Tecnologia da Terra do Japão.

    100 milhões de anos sem comer

    A equipe de pesquisadores liderada por Morono contou com a ajuda do navio de pesquisa JOIDES Resolution para encontrar os micróbios, entre os quais representantes de numerosos grupos de bactérias, em sedimentos nas profundezas do sul do oceano Pacífico. Com o auxílio do JOIDES Resolution, foi feita uma perfuração de quase seis quilômetros de profundidade no mar. As amostras de argila, nas quais os micróbios foram encontrados, foram coletadas cerca de 74,5 metros abaixo do fundo do oceano.

    Da esquerda para direita, os pesquisadores Yuki Morono, Laurent Toffin e Steven D’Hondt trabalham a bordo do navio de pesquisa JOIDES Resolution com sedimentos coletados das profundezas do oceano Pacífico.
    © REUTERS / IODP JRSO
    Da esquerda para direita, os pesquisadores Yuki Morono, Laurent Toffin e Steven D’Hondt trabalham a bordo do navio de pesquisa JOIDES Resolution com sedimentos coletados das profundezas do oceano Pacífico

    As bactérias descobertas são da época em que os dinossauros habitavam nosso planeta e sobreviveram apesar de não terem nutrientes para se alimentar durante todo esse tempo. No âmbito da investigação, os microrganismos foram incubados por 557 dias em um ambiente laboratorial seguro.

    Com a incubação, as bactérias cresceram, multiplicaram-se e exibiram várias atividades metabólicas. "Manter a capacidade fisiológica total por 100 milhões de anos em isolamento e com fome é uma façanha impressionante", comenta o oceanógrafo Steven D'Hondt, da Universidade de Rhode Island, EUA, coautor do estudo, à Reuters.

    Mais:

    Microorganismos sobrevivem em condições extremas, provando poder haver vida em Vênus e Marte
    Vida na Terra se recuperou rapidamente após queda de asteroide que extinguiu dinossauros
    Portugal cria máscara capaz de eliminar o coronavírus e bactérias (VÍDEO)
    Remédio de 1.000 anos mostra potente efeito contra bactérias resistentes a antibióticos
    Tags:
    oceano Pacífico, dinossauro, bactérias, micróbios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar