15:26 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Nova pesquisa sugere que os inúmeros testes de armas nucleares realizados em meio à corrida armamentista da Guerra Fria podem ter tido um impacto profundo nos padrões meteorológicos de todo o planeta.

    Cientistas compararam as alterações diárias da carga elétrica que flui através das nuvens após a "liberação da radioatividade artificial" desencadeada por explosões nucleares, ou seja, para determinar como os testes de bombas afetaram as precipitações.

    Foram avaliados dados coletados entre 1962 e 1964, na época da Crise dos Mísseis de Cuba, durante a qual os Estados Unidos e a antiga União Soviética realizaram centenas de testes de bombas, e descobriu-se que em dias com maior radioatividade, as chuvas aumentaram 24% em média, e as nuvens foram "oticamente espessadas".

    "Ao estudar a radioatividade liberada pelos testes de armas da Guerra Fria, os cientistas da época aprenderam sobre os padrões de circulação atmosférica. Agora, reutilizamos esses dados para examinar o efeito das chuvas", disse Giles Harrison, principal autor do estudo e professor de física atmosférica na Universidade de Reading (Reino Unido).

    Alteração dos padrões climáticos

    A atmosfera politicamente carregada da Guerra Fria levou a uma corrida armamentista nuclear e a uma ansiedade mundial. Décadas depois, essa nuvem global acabou fornecendo uma maneira única de estudar como a carga elétrica afeta a chuva.

    Mesmo tendo sido realizadas em áreas remotas do mundo, como desertos e ilhas desabitadas, as explosões de bombas nucleares ionizaram a atmosfera e geraram uma carga elétrica que poderia alterar os padrões climáticos a milhares de quilômetros dos locais de teste, descobriram os pesquisadores.

    Primeira explosão nuclear submarina na URSS e a primeira explosão nuclear em Novaya Zemlya, 21 de setembro de 1955
    © Foto / Forças Armadas Soviéticas
    Primeira explosão nuclear submarina na URSS e a primeira explosão nuclear em Novaya Zemlya, 21 de setembro de 1955

    Cerca de 2.058 bombas nucleares foram detonadas em todo o planeta desde o primeiro teste bem-sucedido em 1945.

    Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Physical Review Letters.

    Mais:

    Primeira explosão nuclear ajuda cientistas a revelar segredos do nascimento da Lua
    Confira vestígios de explosão nuclear que até hoje existem em Hiroshima (FOTO)
    Saiba o que você não deve fazer em caso de explosão nuclear
    Tags:
    mudança climática, clima global, radioatividade, Guerra Fria, bomba nuclear
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar