08:26 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Hiroshima depois da bomba atômica (imagem ilustrativa)

    Confira vestígios de explosão nuclear que até hoje existem em Hiroshima (FOTO)

    © flickr.com / Maarten Heerlien
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    271
    Nos siga no

    Um geólogo malaio descobriu acidentalmente na areia das praias de Hiroshima vários novos tipos de rochas que se formaram dos restos da cidade destruída em 1945.

    Inicialmente, Mario Wannier estava avaliando a flora e a fauna marinhas locais na parte sudoeste de Honshu, procurando e examinando restos de algas unicelulares e outros vestígios de vida em amostras de areia.

    Após uma sugestão de seu colega Marc de Urreiztieta, Wannier começou a explorar as areias da península de Motoujina, onde encontrou uma grande variedade de partículas de vidro esféricas.

    As amostras coletadas em Motoujina e na ilha vizinha de Miyajima passaram pelo acelerador de partículas (síncrotron) do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, nos EUA, um microscópio óptico e um microscópio eletrônico de varredura.

    A areia nas praias de Hiroshima contém até hoje vestígios da explosão nuclear de 1945    

    ​Acontece que os grânulos continham partículas de concreto, aço, borracha, alumínio e outros materiais com os quais os edifícios e outras infraestruturas da cidade haviam sido construídos.

    Segundo sugerem os químicos e geólogos, toda essa infraestrutura se evaporou e subiu a grande altura na atmosfera após a explosão da arma nuclear Little Boy e a formação do característico "cogumelo" nuclear. Lá, eles foram aquecidos a uma temperatura de 1.800 graus. Depois disso, eles gradualmente esfriaram, o que levou à formação de um grande número de grânulos de vidro de diferentes formas. O vento os moveu para a vizinhança da cidade destruída.

    Sua massa total nas areias das praias de Hiroshima, se os cálculos de Wannier estiverem corretos, pode exceder as 3.000 toneladas.

    Os cientistas supõem que esferas semelhantes surgiram após o bombardeio de Nagasaki, bem como após vários testes nucleares nas duas décadas seguintes. Eles também teriam que deixar uma marca significativa nos sedimentos. No entanto, isso é uma questão a ser ainda estudada.

    Mais:

    Explosão põe em funcionamento bombardeiro nuclear B-52 (VÍDEO)
    Assista à simulação de explosão nuclear nos arredores da Casa Branca (VÍDEO)
    NASA reporta explosão de meteoro equivalente a 11 bombas de Hiroshima (FOTOS)
    '200 mil bombas de Hiroshima': o poder do supervulcão que destruiu uma civilização inteira
    Tags:
    bomba atômica, explosão nuclear, areia, praias, amostras, Hiroshima, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar