04:21 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)
    444
    Nos siga no

    O gigante tecnológico chinês tem intensificado os esforços para enfrentar a pandemia em curso utilizando inúmeras tecnologias disruptivas destinadas a monitorar, diagnosticar e bloquear a propagação da COVID-19.

    A Huawei vai reforçar seu papel na luta contra a atual pandemia do coronavírus com inteligência artificial (IA) e conectividade de telecomunicações, escreveu a empresa em um documento para sua plataforma "5G+, Mundo Melhor", na semana passada.

    O livro branco, intitulado "Tecnologia Contra a Pandemia: Perspectiva e Prática em Redes de Telecomunicação", aborda o papel destas redes no monitoramento da crise e na prestação de serviços vitais para a educação, comércio e recursos de trabalho remoto.

    Tecnologias de vanguarda no combate à pandemia incluem as redes 5G, inteligência artificial, Redes Ópticas Passivas de 10 Gigabytes (10 Gigabyte Passive Optical Networks), entre outras.

    A tecnologia 5G foi utilizada na implantação de drones em regiões de surtos para desenvolver atividades como transmissão de mensagens, compartilhamento de informações via códigos QR, entregas de suprimentos vitais e medicamentos, desinfecção de áreas afetadas pelo vírus e outras com veículos não tripulados, diz o relatório.

    Os medidores de temperatura à distância da IA foram implantados para monitorar multidões, verificando cerca de 46.000 pessoas por hora nos principais transportes, escolas e centros comerciais.

    Os pacientes isolados por COVID-19 puderam ser monitorados com segurança através de selos eletrônicos magnéticos nas portas que usam a tecnologia de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), além de fornecer atualizações em tempo real sobre casos em cidades e regiões e alertar os usuários sobre possíveis contatos com surtos de coronavírus e pessoas infectadas.

    A 5G foi utilizada para "conectar médicos com pacientes, áreas afetadas com o resto da sociedade e hospitais através de fronteiras físicas e administrativas", diz o trabalho, citando o hospital de emergência de Huoshenshan, próximo ao epicentro em Wuhan.

    Veja o interior do hospital na China onde pacientes do coronavírus foram tratados por robôs

    Falando sobre a cúpula, o presidente do Departamento de Marketing e Vendas da Huawei, Peng Song, exortou a comunidade das tecnologias de informação e comunicação a permanecer junta e a construir um mundo melhor.

    "2020 marca o início da terceira década do século XXI", diz. "Neste ano, a transformação digital global vai acelerar, significando tanto oportunidades quanto desafios para as operadoras de telecomunicações e indústrias", disse Peng.

    A abordagem de oportunidades e desafios exigiu das operadoras a construção de redes "mais resistentes, automatizadas e inteligentes", disse ele, acrescentando que a plataforma é destinada a "trabalhar com operadoras e parceiros em todo o mundo", incluindo o compartilhamento de experiências valiosas.

    A notícia vem depois que a Huawei Cloud divulgou um relatório sobre o seu programa de imagiologia médica assistida por IA, usado para diagnosticar e tratar pacientes afetados por doenças pulmonares relacionadas ao vírus, permitindo efetuar tomografias computadorizadas e diagnosticar rapidamente os pacientes, bem como aumentar a eficiência do protocolo de quarentena.

    O programa foi criado em parceria pela Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong e a empresa Lanwon Technology em fevereiro e oferecido aos hospitais, gratuitamente.

    Tema:
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)

    Mais:

    Postes da rede 5G estão sendo incendiados no Reino Unido por medo da COVID-19
    Huawei pode vender 100 milhões de smartphones com 5G em 2020
    Huawei apresenta substituto para popular Google Maps (FOTO)
    Drone com alto-falante combate aglomerações no Rio durante pandemia do coronavírus
    Tags:
    Wuhan, COVID-19, 5G, Huawei
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar