14:20 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1211
    Nos siga no

    Investigadores portugueses recriaram uma tinta azul púrpura que era muito usada na Idade Média em manuscritos e cuja fórmula há muito se tinha perdido.

    Segundo informa hoje (20) o portal Ancient Origins, cientistas portugueses identificaram quer a planta que fornece o pigmento, quer o modo de produção da peculiar tinta azul púrpura que teve várias aplicações na Idade Média.

    A tinta era usada para colorir diversas coisas, incluindo tecidos, e até a casca de um popular queijo holandês, mas era particularmente utilizada em manuscritos iluminados, que eram decorados com ouro, prata ou cores brilhantes e são considerados obras-primas do mundo medieval.

    Os pesquisadores lograram recriar esta tinta azul muito em voga na Idade Média, recorrendo a um livro escrito em uma língua extinta.

    A tinta era conhecida como folium e era famosa pela sua tonalidade e pelas suas propriedades duradouras, o que raramente acontece com as tintas azuis.

    Tal fato, refere o portal, tornou o folium muito apreciado na Idade Média. Esta tonalidade azul não era como o anil da planta índigo, ainda hoje muito utilizado, nem como os pigmentos produzidos a partir de alguns tipos de flores.

    Erva Chrozophora tinctoria (foto de arquivo)
    Erva Chrozophora tinctoria (foto de arquivo)

    Fórmula perdida

    Após a produção da tinta, esta era embebida em pedaços de linho, permitindo dessa forma seu transporte por todo o continente europeu.

    Contudo, depois de Gutenberg ter inventado a primeira máquina de impressão, os manuscritos iluminados foram ficando fora de uso. Com o tempo, o folium foi sendo cada vez menos utilizado e o processo de produção perdeu-se após a invenção dos corantes sintéticos.

    A receita matriz era desconhecida desde pelo menos o século XIX. Agora, uma equipe de dez cientistas conservacionistas portugueses, liderados por Paula Nabais da Universidade Nova de Lisboa, decidiram resolver o mistério de como se produzia o folium. Para o efeito, tiveram de decifrar um texto medieval do século XV sobre como produzir cores para iluminuras, tarefa que na época era executada por monges cristãos.

    Cientistas ressuscitaram tom azul púrpura cuja origem botânica se tinha perdido ao longo do tempo

    Traduzindo língua extinta

    No entanto, este não foi um processo fácil. O livro estava escrito em judaico-português, um dialeto extinto da língua portuguesa usado pela comunidade hebraica lusitana.

    Malgrado as dificuldades, a equipe logrou recuperar informação suficiente para tentar recriar o folium, descobrindo que o único ingrediente da tinta era uma pequena erva verde-prateada, Chrozophora tinctoria, mesmo não sendo o seu nome referido pelo livro medieval.

    ​Especialistas resolvem mistério de 1.000 anos de rara tinta azul medieval

    Paula Nabais, a autora principal do estudo, citada pelo Ancient Origins, afirmou que o livro "diz como a planta é, como os frutos são... é muito específica, também dizendo quando e onde a planta cresce, e quando você pode coletá-la".

    Resolvendo o mistério

    O manuscrito dá instruções detalhadas e até indica o local onde coletar as melhores plantas a utilizar. Nabais e os seus colegas viajaram até Monsaraz, na região do Alentejo, no sul de Portugal.

    Recolhido o fruto da planta, do tamanho de uma pequena noz, de exemplares que cresciam espontaneamente ao longo da estrada, rapidamente se deram conta que continha um líquido azul.

    Com base na sua investigação, sabiam que as sementes não podiam ser esmagadas, porque isso poderia ter impacto na extração do pigmento.

    Trazidas as amostras para o laboratório, usaram técnicas analíticas para zerar a estrutura da molécula de corante, conseguindo demonstrar que o composto químico da tonalidade azul púrpura era idêntico ao do fruto da planta a nível molecular, relata o portal.

    Retalhos de pano pintados com tinta da erva Chrozophora tinctoria e fórmula química da substância
    Retalhos de pano pintados com tinta da erva Chrozophora tinctoria e fórmula química da substância

    De seguida, examinaram as moléculas do fruto da planta e simularam a interação da luz com a molécula candidata, para verificar se esta lhes daria o azul desejado. Confirmado, decidiram extrair o pigmento que era tão valorizado na Idade Média, continua o Ancient Origins.

    Receita recriada

    A equipe decidiu então copiar os procedimentos indicados nos textos medievais. O carácter vago das instruções levou a que o processo fosse demorado. Mas, após várias tentativas e muitos erros, foi possível extrair o pigmento do fruto minúsculo, informa o Ancient Origins.

    Os cientistas esperam agora que a sua recriação do folium permita ajudar os especialistas que preservam e restauram livros raros iluminados, uma vez que o corante medieval poderia durar séculos.

    Para além disso, a descoberta também poderá ajudar no desenvolvimento de pigmentos mais resistentes do que os corantes sintéticos, conclui o portal.

    Mais:

    Desvendado mistério de crânio de carneiro detectado em máscara funerária de 2.000 anos (FOTOS)
    Misterioso felino de longas garras aparece em FOTO passeando em cidade do Reino Unido
    Função de misteriosas pedras redondas pré-históricas é descoberta (FOTOS)
    Tags:
    tinta, pesquisa, Portugal, livros, medieval
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar