22:17 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Cientistas observaram a evolução de uma explosão de supernova com um tamanho entre 50 e 100 vezes a massa do Sol, avançando hipóteses de como ela poderia ter ocorrido.

    Astrônomos analisaram a explosão estelar SN2016aps que ocorreu em uma galáxia a cerca de 3,6 bilhões de anos-luz da Terra. Eles relatam que é uma supernova duas vezes mais brilhante do que qualquer outra vista antes, segundo um estudo publicado na revista Nature Astronomy.

    "Em uma supernova típica, a radiação é inferior a 1% da energia total. Mas na SN2016aps descobrimos que a radiação era cinco vezes a energia de explosão de uma supernova de tamanho normal. Esta é a maior quantidade de luz que já vimos emitida por uma supernova", disse o autor principal do estudo, Matt Nicholl, da Universidade de Birmingham, Reino Unido.

    Os cientistas podem medir supernovas usando duas escalas: a energia total da explosão e a quantidade dessa energia que é emitida como luz ou radiação observável.

    A SN2016aps é tão incomum que Nicholl e seus colegas pensam que pode ser uma supernova de "instabilidade de par pulsante", na qual duas grandes estrelas se fundem antes de todo o sistema explodir. Tais eventos são uma das hipóteses, mas os astrônomos nunca confirmaram realmente sua existência.

    A SN2016aps foi descoberta em 2016 pelo Telescópio de Reconhecimento Panorâmico e Sistema de Resposta Rápida (Pan-STARRS, na sigla em inglês) no Havaí, EUA. Nicholl e sua equipe acompanharam o evento por dois anos com o telescópio espacial Hubble da NASA e uma variedade de instrumentos terrestres, vendo o brilho da supernova se desvanecer para apenas 1% do seu pico.

    Característica da supernova

    Essas observações permitiram aos pesquisadores caracterizar e reconstruir a explosão como ela poderia ter ocorrido.

    Assim, a equipe determinou que muito do brilho da SN2016aps provavelmente resultou de uma interação entre a supernova e uma camada de gás ao redor. Antes de explodir, as estrelas gigantes passam por pulsações violentas, que ejetam esse gás no espaço.

    "Se a supernova tiver o tempo certo, ela pode alcançar este estado e liberar uma enorme quantidade de energia na colisão", disse Nicholl. "Achamos que é um dos candidatos mais convincentes para este processo que tem sido observado até agora, e provavelmente o mais maciço".

    Além disso, os pesquisadores calcularam que o sistema de supernovas tinha entre 50 e 100 vezes a massa do Sol.

    "O gás que detectamos era principalmente hidrogênio, mas uma estrela tão grande normalmente teria perdido todo o seu hidrogênio devido a ventos estelares muito antes de começar a pulsar", disse Nicholl.

    "Uma explicação é que duas estrelas ligeiramente menos maciças ao redor, digamos 60 massas solares, tenham se fundido antes da explosão. As estrelas de massa mais baixa retêm o hidrogênio por mais tempo, enquanto sua massa combinada é alta o suficiente para desencadear a instabilidade do par", concluiu.

    Mais:

    Supernovas poderiam estar bombardeando Terra com 'balas cósmicas' a 3 mil km/s
    Descobrem a explosão mais violenta da Via Láctea que originou milhares de supernovas (VÍDEO)
    Pesquisadores americanos descobrem por que supernovas explodem
    Tags:
    NASA, Hubble, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar