09:27 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2140
    Nos siga no

    Sempre que cientistas tentam analisar o misterioso "monstro Tully", ele se torna ainda mais misterioso.

    Apesar de ser um fóssil de mais de 300 milhões de anos que foi descoberto há 60 anos, continua sendo muito enigmático até o ponto que pesquisadores ainda não descobriram se se trata de um fóssil de animal com ou sem vértebras.

    O "monstro Tully" (Tullimonstrum gregarium, nome científico) é um fóssil que apresenta alterações corporais muito distintivas de qualquer outro animal ou planta até então classificado.

    Observado quando se movimenta, o "monstro Tully" parece uma lesma, mas com particularidades. No lugar onde deveria estar localizada a boca, o monstro tem um apêndice longo e fino que termina com o que parece ser um par de garras. Em seguida, estão seus olhos que sobressaem do corpo, escreve o portal Live Science.

    O "monstro Tully" é sem dúvida um dos fósseis mais curiosos já descobertos. Está cada vez mais estranho.

    A criatura foi descoberta na jazida paleontológica de Mazon Creek, no estado de Illinois, nos EUA.

    Tully é tão bizarro que os cientistas nem sequer conseguiram chegar a um acordo sobre se se trata de um vertebrado (com espinha dorsal, como têm os mamíferos, aves, repteis e peixes) ou invertebrado (sem espinha dorsal, como os insetos, crustáceos, polvos, entre outros).

    Em 2016, um grupo de pesquisadores afirmou ter resolvido o mistério de Tully, indicando as evidências mais consistentes até agora de que se tratava de um vertebrado. Porém, recentemente, outros pesquisadores publicaram um novo estudo que põe em causa a conclusão antes apresentada, sendo, assim, o "monstro Tully" não perdeu nem um pouco seu mistério.

    Mais:

    Monstro marítimo misterioso é encontrado na Califórnia após tempestade (FOTO)
    Cientistas teriam desvendado mistério do monstro do lago Ness
    Tags:
    EUA, monstro, fósseis, alienígena, origem, pesquisa, mistério
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar