17:37 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Ilustração artística dos dinossauros que habitavam a Antártica há 200 milhões de anos

    Monstros da Antártica: conheça dinossauros mais raros achados no continente gelado (FOTOS)

    © Foto / Elenarts/KostPhoto/ooGleb/Pixelchaos
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    191
    Nos siga no

    Os cientistas determinaram que os fósseis descobertos na ilha Seymour (Marambio) da Antártica há 3 décadas pertencem a um dos maiores plesiossauros já conhecidos.

    Nos últimos anos ali foram encontrados esqueletos gigantescos de dinossauros carnívoros e herbívoros.

    Fósseis dos cumes das montanhas

    Em 1990, no verão da Antártica, uma expedição liderada por William Hammer do departamento de geologia da Universidade Augustana (EUA), explorou o monte Kirkpatrick, o ponto mais alto da cordilheira Transantártica.

    É um dos sítios mais inóspitos do mundo, onde a temperatura durante o período mais quente do ano não ultrapassa os 20 graus negativos.

    Os cientistas tiveram a sorte de encontrar restos fósseis de quatro répteis pré-históricos, incluindo um crânio quase inteiro de um dinossauro carnívoro.

    Pela sua estrutura, o dinossauro era semelhante aos répteis da sua espécie de outras partes do mundo e, ao mesmo tempo, tinha semelhanças com seus antepassados que habitaram a Terra durante o período anterior.

    O plesiossauro caminhava sobre as duas patas traseiras, as suas patas dianteiras não eram desenvolvidas.

    Dinossauro Cryolophosaurus ellioti, encontrado em 1991 na Antártica
    © Foto / SCIENCE, VOL. 264, 6 MAY 1994
    Dinossauro Cryolophosaurus ellioti, encontrado em 1991 na Antártica
    O corpo tinha cerca de oito metros de comprimento, o seu crânio - 65 centímetros, com uma boca enorme cheia de dentes afiados.

    Ele tinha uma particularidade: uma espécie de crista de osso na cabeça, que indicava que era um macho. A criatura recebeu o nome de Cryolophosaurus ellioti (lagarto do gelo com crista). Esta espécie habitava na Terra cerca de 200 milhões de anos atrás, quando na Antártica não havia gelo.

    Seguindo as pegadas dos herbívoros

    Em fevereiro de 1989, uma expedição britânica à Antártica encontrou na ilha de Vega um esqueleto incompleto de um dinossauro ornitísquio (um tipo de dinossauro herbívoro, caracterizado pelo focinho em forma de bico).

    CC BY-SA 3.0 / Levi bernardo
    Trinisaura santamartaensis

    Os fósseis tinham entre 70 a 80 milhões de anos. O esqueleto descoberto pertencia a um réptil pré-histórico bípede bastante grande, de 5 metros de comprimento, parecido com os iguanodontes que habitavam quase todos os continentes em grande número. Até agora não foi determinado a que espécie pertence o achado.

    O novo tipo de réptil só existente na Antártica foi chamado de acordo com o local da sua descoberta - Morrosaurus antarcticus.

    © Depositphotos / AlienCat
    Antarctopelta

    Para além dos morrossáuros, naquele tempo na Antártica habitavam répteis herbívoros semelhantes aos Trinisaura santamartaensis e Antarctopelta oliveroi, pertencentes ao grupo de anquilossauros com espinhos na cauda e na cabeça.

    Mais:

    Extinção em massa: surge mais evidência de que asteroide acabou de vez com dinossauros
    Novos fósseis revelam como vida ressurgiu após extinção dos dinossauros (FOTO)
    Tags:
    gelo, inusitados, réptil, expedição, Antártica, fósseis, descoberta, dinossauro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar