00:49 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Axolotle no oceanário de Moscou, Rússia

    'Salamandra canibal': chave para regeneração humana?

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 150
    Nos siga no

    Uma equipe de biólogos estadunidenses da Universidade do Nordeste, Boston, descobriu a chave que ativa a regeneração dos axolotles, uma rara espécie de salamandra mexicana.

    O futuro estudo da salamandra mexicana e dos processos que têm lugar no seu organismo poderia ajudar a tratar pacientes humanos, segundo o portal Phys.org.

    Dado que as salamandras costumam se reproduzir em zonas superlotadas nos quais a comida escasseia, alguns destes animais frequentemente acabam comendo as extremidades dos seus congêneres para sobreviver. Ainda assim, seus membros, pele, ossos, tecidos musculares e inclusive terminações nervosas se regeneram por completo em questão de meses.

    Outras espécies de anfíbios também são capazes de regenerar várias partes do seu corpo, mas os axolotles são a única que o faz de tal maneira que a nova extremidade é uma cópia exata da anterior.

    James Monaghan, professor da biologia da Universidade do Nordeste, considera que essa capacidade deve ser uma propriedade única das células deste animal. Trata-se da presença de uma molécula chamada neuregulin 1. Quando os investigadores a retiravam das células do axolotle, esta perdia sua capacidade de regenerar os tecidos. Quando voltaram a introduzi-la, o anfíbio recuperava sua incrível habilidade.

    O cientista tentou introduzir a molécula neuregulin 1 nas células mãe de suínos, por serem parecidas às dos humanos, e examinou sua habilidade para regenerar a retina. No novo organismo, estas células falharam e morreram. Quando o investigador fez o mesmo com os olhos do axolotle, menos células mãe morreram. Os resultados do experimento sugerem que poderia haver outra molécula ou mecanismo ativando o efeito da neuregulin 1.

    Os investigadores estadunidenses consideram que existem muitos aspetos no genoma dos axolotles que seguimos ignorando. Futuros estudos poderiam ajudar a avançar o tratamento de enfermidades degenerativas da retina em seres humanos.

    Segundo Monaghan, se se conseguisse descobrir como exatamente funciona o processo da regeneração destes anfíbios "nossos corpos poderiam fazer o resto do trabalho".

    Mais:

    Norueguês investe milhões para refutar darwinismo
    Derretimento dramático de glaciares da Islândia é mostrado em FOTOS feitas com diferença de 40 anos
    Fóssil de macaco poderá mostrar como sobreviver ao aquecimento global
    Tags:
    Boston, biologia, anfíbio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar