09:52 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Uma explosão espacial (ilustração)

    Megaexplosão teria sacudido centro da Via Láctea na época dos australopitecos

    © CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    151
    Nos siga no

    Uma equipe de cientistas australianos e estadunidenses afirma ter encontrado evidências de uma fortíssima explosão que se produziu 3,5 de milhões anos atrás no centro da nossa galáxia.

    Os investigadores afirmam que a explosão foi desencadeada por um disparo de radiação ionizante no buraco negro Sagittarius A*, cuja massa é cerca de quatro milhões de vezes superior à do Sol. O fenômeno, chamado bengala de Seyfert, emitiu uma onda de radiação tão poderosa que abriu caminho desde ambos os polos da galáxia e saiu ao espaço profundo em forma de dois "cones de ionização" radioativos, segundo o recente estudo.

    A explosão foi tão forte que a radiação atingiu até a Corrente de Magalhães, que está a aproximadamente 200.000 anos-luz da Via Láctea.

    'Muito mais dinâmico do que pensávamos'

    Segundo os padrões astronômicos, este evento é relativamente recente e ocorreu nos tempos em que nosso planeta já estava povoado por nossos antecedentes mais distantes, os australopitecos, que habitaram a África desde há aproximadamente 3,9 milhões de anos.

    Além disso, graças aos dados recolhidos pelo telescópio espacial Hubble, os cientistas determinaram que a bengala de Seyfert durou cerca de 300.000 anos, o que em termos cósmicos é um período extremamente curto.

    O telescópio espacial Hubble
    © AFP 2019 / NASA PHOTO
    O telescópio espacial Hubble

    Citada pelo portal EurekAlert, a professora Lisa Kewley, coautora do estudo e diretora do centro australiano ARC All Sky Astrophysics in 3 Dimensions (ASTRO 3D), explicou que nossa galáxia sempre foi considerada de "tranquila" e pouco ativa, mas estes recentes descobrimentos contestam essa ideia.

    "Uma explosão massiva de energia e radiação saiu diretamente do centro galáctico e do material circundante. Isso mostra que o centro da Via Láctea é um lugar muito mais dinâmico do que tínhamos pensado anteriormente. É uma sorte que não estejamos morando lá", comentou a cientista.

    Mais:

    Voltando 60 anos no tempo: confira FOTOS históricas do lado oculto da Lua
    NASA estaria investindo milhões de dólares para criar combustível lunar
    Derretimento da Antártida pode elevar nível do mar mais de 20 metros
    Tags:
    buraco negro, Via Láctea, explosão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar