05:43 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Lesedi la Rona de 1109 quilates é o maior diamante descoberto em mais de um século e o maior diamante bruto existente hoje.

    Diamante 'matrioshka' único é encontrado na Rússia (VÍDEO)

    © Foto / Donald Bowers/Getty Images for Sotheby's
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2330
    Nos siga no

    Imagine um diamante que tenha dentro outro diamante que se move livremente. Isso é o que foi encontrado no Extremo Oriente da Rússia.

    O diamante encontrado é a primeira pedra preciosa deste tipo na história da extração de diamantes e não tem análogos no mundo.

    O diamante foi descoberto na Yakútia, em uma jazida da empresa Alrosa, o líder mundial na produção de diamantes.

    A idade de pedra está estimada em cerca de 800 milhões de anos. Pesa 0,124 gramas e tem o tamanho de 4,8×4,9×2,8 milímetros.

    Segundo os cientistas russos, primeiramente se formou o diamante interior, tendo o exterior surgido depois.

    "O mais interessante é entender como se formou uma bolha de ar entre os dois diamantes", disse o diretor adjunto da Alrosa para a inovação, Oleg Kovalchuk, ao jornal russo Komsomolskaya Pravda.

    Ele explicou que há duas hipóteses principais. "Segundo a primeira, durante o crescimento o diamante foi capturado pelo mineral do manto, que mais tarde foi dissolvido na superfície terrestre". Segundo a outra hipótese, "devido ao crescimento ultrarrápido dentro de diamante, se formou uma camada de substância diamantífera policristalina porosa, que depois foi dissolvida por outros processos mais agressivos do manto", explicou Kovalchuk.

    Segundo ele, esta "matrioshka" é realmente uma criação única. A fonte não divulga o preço do diamante.

    Mais:

    Mineral nunca antes visto é descoberto em partícula de diamante (FOTO)
    Brilhantes para medicina: nanodiamantes ajudam na construção de biossensores
    Achados no Brasil, diamantes confirmam existência de reservatório nas entranhas da Terra
    Tags:
    Rússia, mineral, diamante
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar