15:00 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Prefeitura de Okinawa, Japão

    Encontrada misteriosa 'bomba-relógio' debaixo do Japão

    © AFP 2019 / JIJI PRESS
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3100
    Nos siga no

    Uma equipe de investigadores da Universidade de Kyushu descobriu um grande campo de gás embaixo da costa do canal de Okinawa, no sudoeste do Japão, que pode representar uma ameaça que ainda não está clara.

    O depósito de quatro quilômetros de largura encontrado poderia representar uma ameaça para o ambiente, segundo os resultados da investigação que foram publicados na revista especializada Geophysical Research Letters.

    Segundo os cientistas japoneses, o reservatório poderia conter mais de 100 milhões de toneladas de metano, que pode ser utilizado como fonte de energia, ou de dióxido de carbono, o que os cientistas qualificaram como "uma bomba-relógio", já que poderia se tornar uma fonte de gases de efeito estufa. Ao mesmo tempo, o campo também poderia conter uma combinação dos dois gases.

    Segundo o coautor do estudo, Takeshi Tsuji, além dos gases de efeito estufa produzidos pelos humanos, também há "uma grande variedade de fontes naturais", tais como os reservatórios de gás que, no entanto, também "podem tornar-se um importante recurso natural".

    Por sua vez, outro autor do estudo, Andri Hendriyana, explicou que "as ondas da pressão sísmica geralmente viajam mais lentamente através dos gases do que através dos sólidos", algo que poderia ajudar na busca de reservatórios de gás subterrâneos potencialmente perigosos "e inclusive obter informações sobre sua saturação".

    No entanto, são necessárias mais investigações e tempo para obter mais dados sobre este campo e para ficar sabendo qual é o perigo que representa.

    Mais:

    Cometa misterioso se aproxima de Marte
    'É Terra, não Marte': céu vermelho-sangue é captado em VÍDEOS na Indonésia
    Rover chinês manda mais FOTOS do gel misterioso achado no lado oculto da Lua
    Tags:
    Okinawa, Japão, gás
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar