11:28 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Grande Esfinge de Gizé no Egito

    Arqueólogos descobrem vestígios de sociedade misteriosa antecessora do Antigo Egito

    CC0 / sciencefreak
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3212
    Nos siga no

    Um grupo de cientistas internacional relatou a descoberta de locais de sepultamento que remontam a uma cultura antiga que existia no deserto líbio e permitiu a ascensão do Antigo Egito.

    Membros da Expedição Pré-histórica Combinada, com autorização do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, estudaram locais de sepultamento com foco no Neolítico Final (4.600-4.000 a.C.), que foi construído sobre o sucesso do Neolítico Tardio (5.500-4.650 a.C.), e situados ao longo das antigas margens de um lago sazonal extinto perto de um lugar chamado Gebel Ramlah.

    Arqueólogos lançam luz sobre misteriosa sociedade neolítica por trás da ascensão do Antigo Egito

    Cientistas publicaram algumas de suas descobertas na African Archaeological Review. Em "Gebel Ramlah – um Cemitério Único de Recém-Nascidos do Saara Neolítico", os pesquisadores oferecem importantes detalhes sobre os misteriosos modos de vida dos povos antigos.

    Cemitérios descobertos

    Nessa altura, o clima no deserto era mais úmido do que hoje, o que permitiu aos antigos agricultores povoar a região. Esta cultura era caracterizada pela cultura do gado e pela criação de estruturas megalíticas, santuários e mesmo círculos de calendário semelhantes a Stonehenge.

    Durante a última parte do período neolítico, as pessoas começaram a enterrar seus mortos em cemitérios formais. Os esqueletos fornecem informações sobre sua saúde, relacionamentos, dieta e até mesmo experiências psicológicas.

    Em 2001-2003, os arqueólogos escavaram três cemitérios desta época, tendo descoberto e estudado 68 esqueletos e os artefatos deixados nas sepulturas: ferramentas cosméticas elaboradas para mulheres, armas de pedra para homens, bem como cerâmica ornamental, conchas marinhas, joias de pedra e de casca de ovo de avestruz.

    Pesquisadores descobriram que essas pessoas tinham um baixo nível de mortalidade infantil, alto crescimento e uma expectativa de vida relativamente longa (40-50 anos).

    Desigualdade social

    Em 2009-2016, foram descobertos mais dois cemitérios com 130 esqueletos e um pequeno número de artefatos. De acordo com os resultados da análise, estas pessoas eram baixas, havia um elevado grau de mortalidade infantil e tinham uma esperança de vida curta. Pensando nas razões para as tremendas diferenças nos locais de sepultamento, os investigadores chegaram a uma série de teorias.

    É possível que alguns locais fossem destinados a pessoas de alto status social, enquanto outros eram para a classe trabalhadora. Esta poderia ser a primeira evidência de estratificação de classes no Egito, afirmam os especialistas.

    Esses indicadores, juntamente com a arquitetura tecnológica e cerimonial inovadora, como os círculos de calendário e santuários, implicam que essas pessoas apresentavam um nível de sofisticação para além do dos pastores de gado bovino e ovino/caprino comuns. Os achados fascinantes podem ser vistos como um precursor das coisas que irão acontecer no Antigo Egito.

    Mais:

    Arqueólogos descobrem novas múmias em Complexo de Pirâmides perto do Cairo (FOTO)
    Arqueólogos argentinos reconstroem fisionomia de mulher inca do século XVI (FOTO)
    Arqueólogos desvendam enigma do 'show de horrores' em cemitério milenar no Panamá
    Tags:
    restos mortais, antiguidade, arqueólogos, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar