06:43 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Logo de Huawei

    Fundador da Huawei revela como reagirá se Trump o ligar

    © REUTERS / Aly Song
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    6212

    As declarações foram feitas depois que o executivo-chefe da Huawei disse à imprensa chinesa que a repressão dos EUA à gigante de tecnologia não é "poderosa o suficiente" para forçar outros países a seguir o exemplo e colocar a empresa em outras listas negras.

    Apesar da decisão de Washington de reprimir a unidade 5G da Huawei, a empresa poderá resolver o problema aumentando o fornecimento de chips ou encontrando alternativas à cadeia de suprimento americana, disse o fundador e CEO da gigante de tecnologia, Ren Zhengfei, à Bloomberg.

    Quando questionado sobre a rapidez com que a Huawei pode lidar com a situação, ele disse que isso dependerá da "rapidez com que nossos reparadores consigam consertar o avião".

    “Não importa que materiais usem, metal, tecido ou papel, o objetivo é manter o avião no céu”, acrescentou.

    Comentando as recentes declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, de que a Huawei poderia fazer parte de um futuro acordo comercial entre Pequim e Washington, Ren disse que ele não ser político.

    “É uma grande piada. Como estamos relacionados com o comércio entre a China e os EUA?”, observou.

    A última rodada de negociações comerciais sino-americanas estagnou na sexta-feira, mas as partes prometeram continuar trabalhando para um acordo comercial para resolver a guerra comercial que alarma o mundo desde junho de 2018, quando a Trump autorizou uma alta nas tarifas dos produtos chineses (movimento que levou Pequim a retaliar).

    Ren continuou dizendo que, se Trump ligar para ele, “eu vou ignorá-lo, então com quem ele pode negociar? Se ele me ligar, eu posso não responder. Mas ele não tem meu número”.

    Ele descreveu os tweets de Trump como "risíveis" e "contraditórios", questionando desde quando o presidente dos EUA se tornou "um mestre na arte do acordo".

    “Estamos à frente dos EUA. Se estivéssemos atrás, não haveria necessidade de Trump nos atacar tenazmente ”, ressaltou.

    Ao mesmo tempo, ele disse que seria contra Pequim proibir a Apple de vender do mercado chinês como forma de retaliação.

    “Primeiramente, isso não vai acontecer. E, segundo, se isso acontecer, serei o primeiro a protestar. A Apple é minha professora, está na liderança. Como estudante, por que ir contra o meu professor? Nunca”, enfatizou.

    Seus comentários vieram depois que a Administração de Ciberespaço da China propôs um conjunto de medidas de segurança cibernética que, se assinadas em lei, exigiriam que os operadores da infraestrutura de informação crítica da China "avaliassem o risco de segurança nacional" ao adquirir produtos e serviços estrangeiros.

    A resposta foi precedida pelo Departamento de Comércio dos EUA, colocando a Huawei Technologies e cerca de 70 de suas afiliadas em uma lista negra no início da semana passada, também proibindo-os de comprar equipamentos de parceiros dos EUA sem autorização do governo.

    A medida estimulou várias corporações norte-americanas, como Google e Microsoft, bem como grandes fabricantes de semicondutores, incluindo Intel, Qualcomm, Xilinx e Broadcom, a seguirem o mesmo caminho e cortarem laços com a Huawei.

    Tags:
    5G, Broadcom, Xilinx, Intel, Qualcomm, Google, Microsoft, Huawei, Apple, Administração de Ciberespaço da China, Bloomberg, Ren Zhengfei, Donald Trump, Pequim, China, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar