16:02 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Io, satélite Júpiter

    NASA encontra evidências de novo vulcão ativo em satélite de Júpiter (FOTO)

    CC0 / WikiImages/Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 61

    Esse satélite é considerado um corpo celeste com atividade vulcânica mais intensa do nosso Sistema Solar.

    A sonda espacial Juno, que pertence à agência espacial norte-americana NASA, descobriu uma nova fonte de calor perto do pólo sul de Io — um dos quatro grandes satélites de Júpiter conhecidos como Luas de Galileu — que poderia indicar a existência de um vulcão desconhecido até agora.

    Imagem de um possível vulcão ativo em Io, satélite de Júpiter, tirada pelo radar infravermelho JIRAM, instalado a bordo da sonda Juno
    Imagem de um possível vulcão ativo em Io, satélite de Júpiter, tirada pelo radar infravermelho JIRAM, instalado a bordo da sonda Juno

    Cientistas da missão Juno conseguiram detectar a fonte de calor graças aos dados obtidos pelo radar infravermelho JIRAM, instalado a bordo da sonda.

    "O novo ponto de acesso de Io que o JIRAM atingiu está a cerca de 300 quilômetros do lugar mais próximo previamente mapeado", disse Alessandro Mura, um coinvestigador da sonda Juno do Instituto Nacional de Astrofísica, em Roma (Itália).

    A NASA explicou que os dados de infravermelho foram recebidos quando Juno estava à distância de 470 mil quilômetros de Io — o corpo celeste com a atividade vulcânica mais intensa do nosso Sistema Solar.

    Até o momento, na superfície da lua de Júpiter foram descobertos mais de 150 vulcões ativos, não obstante, os cientistas esperam descobrir pelo menos mais 250 vulcões nessa lua.

    Mais:

    Júpiter e Vênus estendem órbita da Terra e afetam nosso clima
    NASA oferece viagem infravermelha por Júpiter (VÍDEO)
    Qual é o 'fantasma' de Júpiter? NASA mostra (VÍDEO)
    Fábrica de estrelas: Nebulosa da Águia é fotografada pela NASA (FOTO)
    NASA capta FOTOS de raríssimo asteroide perigoso para Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik