01:53 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Homem apunta para o cérebro digital (apresentação artística)

    Bilionário americano paga US$ 10 mil para morrer e se tornar imortal (FOTO)

    CC0 / geralt / Pixabay / Cérebro
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    818

    O empreendedor e bilionário do Vale do Silício, Sam Altman, de 32 anos, aceita uma intervenção cirúrgica que prevê sua morte, mas depois o permite viver para sempre.

    O empresário bilionário Sam Altman pagou US$ 10 mil (R$ 32,8 mil) à empresa tecnológica Netcome para entrar na lista de espera de um serviço que digitalizará sua mente no futuro e permitiria colocá-la em um computador, segundo informa a revista MIT Technologic Review.

    ​Sam Altman pagou US$ 10 mil (R$ 32,8 mil) a uma startup para um dia matá-lo e preservar seu cérebro

    Neste contexto, vale destacar que o procedimento requer intervenção cirúrgica que realizada com êxito, significaria sua morte.

    Altman, em seus 32 anos, é um dos criadores do programa Y-Combinator, criado para financiar empresas tecnológicas inovadoras, e também é um dos homens mais ricos do mundo.

    De acordo com o próprio empresário, ele espera que seu cérebro seja preservado em forma digital para sempre.

    Segundo explica Robert McIntyre, um dos fundadores da Netcome, sua empresa pretende preservar cérebros através do embalsamento de alta tecnologia para, posteriormente, digitalizar seu conteúdo.

    Na realidade, agora não existe a tecnologia necessária para realizar a conservação eterna do cérebro em um formato digital, mas a empresa de McIntyre oferece a possibilidade de preservá-lo durante centenas de anos, através de uma determinada técnica que consiste em injetar substâncias químicas especiais no órgão para depois congelá-lo em temperaturas muito baixas.

    O detalhe mais controverso dessa atraente proposta que oferece "imortalidade" consiste em que, para evitar que o cérebro sofra danos irreversíveis, o paciente deve estar vivo no momento do embalsamamento. Mas este procedimento, por sua vez, provocará a morte do paciente.

    De acordo com McIntyre, "a experiência do paciente será idêntica à de um suicídio assistido por um médico".

    Mais:

    Menos dinheiro, mais cérebro: Putin exalta inteligência artificial russa para bater os EUA
    Norte-americano viveu 30 anos com fungos mortíferos no cérebro
    A um milímetro da morte: criança sobrevive com prego no cérebro (FOTOS)
    Tags:
    imortalidade, cirurgia, morte, digital, cérebro, Vale do Silício, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik