03:17 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Cancer cell

    Como cientistas russos mataram células cancerosas submetendo-as a 'uma dieta'

    CC BY-SA 4.0 / Destroyer of furries / Cancer cell
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    6131
    Nos siga no

    De acordo com um artigo publicado na revista científica BBA, as células cancerosas diferem das saudáveis por inusitadamente absorverem muitos nutrientes e oxigênio, o que lhes permite crescer e se multiplicar de forma incontrolável.

    Cientistas da Universidade Estatal de Moscou e seus colegas suecos suprimiram com sucesso o crescimento das células cancerosas, forçando-as a morrer de fome e não produzir proteína para sustento.

    Nos últimos anos, os cientistas começaram a notar que a supressão do "apetite" das células cancerosas facilita a luta contra eles tanto do sistema imunológico como de vários tipos de quimioterapia e imunoterapia.

    "Sabe-se que a autofagia pode ser causada por uma restrição parcial dos nutrientes. Estamos interessados ​​na questão: o que está por trás disso? Estudamos o mecanismo desse fenômeno", disse o professor da Faculdade de Biologia da Universidade Estatal de Moscou, Boris Zhivotovsky.

    Os cientistas cultivaram colônias de dois tipos "imortais" de células de câncer, privaram-na de alimentos e observaram como a atividade de genes relacionados à divisão e proteção contra quimioterapia e o sistema imune mudaram. Isso permitiu a identificação de várias dúzias de seções de DNA e suas proteínas correspondentes, cuja atividade diminuiu significativamente após Zhivotovsky e sua equipe  colocarem o "câncer em uma dieta".

    Zhivotovsky observou uma proteína e um gene do mesmo nome, Mcl-1, do qual depende o trabalho do sistema de autodestruição. Este sistema está presente em todas as células saudáveis ​​e em muitas células cancerígenas.

    Em células saudáveis, observa-se um equilíbrio entre as "proteínas da morte" e a Mcl-1 e outras moléculas similares que suprimem seu trabalho. No entanto, quando o câncer ocorre, esse equilíbrio tende a pender para a Mcl-1, então as células tumorais não morrem mesmo com dano severo no DNA, geralmente causando morte.

    Cientistas russos criaram várias moléculas curtas de RNA, algumas das quais aumentaram a atividade da Mcl-1, enquanto outras bloquearam o trabalho. Como demonstraram as experiências, as células cancerosas com uma versão "melhorada" da proteína resistiram melhor à quimioterapia e morreram em menor quantidade durante a irradiação. A supressão do trabalho do gene associado a ele, pelo contrário, os tornou extremamente vulneráveis.

    "A privação de soro (SD) sensibiliza células cancerosas para a morte celular induzida por fármaco quimioterápico com cisplatina", diz o relatório.

    Os cientistas esperam que os dados coletados ajudem a adaptar essa substância e seus análogos para combater o câncer, de modo que não interfira com a síntese de Mcl-1 em células saudáveis ​​e não leve à morte em massa.

    Tags:
    câncer, DNA, Mcl-1, Revista Científica BBA, Faculdade de Biologia da Universidade Estatal de Moscou, Universidade Estatal de Moscou, Boris Zhivotovsky, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar