11:45 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Blue Origin BE-4 engine test

    Empresa de Jeff Bezos testa o mais potente motor para foguetes em décadas

    © Foto: Blue Origin
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3198423

    A empresa espacial do bilionário Jeff Bezos, Blue Origin, lançou o mais poderoso motor de foguetes dos EUA em décadas, BE-4. O equipamento pode ser usado em foguetes múltiplos, incluindo o Vulcan da empresa United Launch Alliance (ULA) e o próprio foguete orbital da Blue Origin, New Glenn.

    O motor BE-4, alimentado por propulsores de oxigênio líquido e de metano líquido, foi recebido com entusiasmo pela comunidade de pesquisa aeroespacial e militar.

    Projetado para bombear 550 mil libras de impulso ao nível do mar, ele prometeu ser o mais poderoso motor de foguetes construído nos EUA desde que a Rocketdyne desenvolveu o RS-68 há duas décadas. O BE-4 usa novas tecnologias inovadoras, é totalmente reutilizável e pode se tornar o principal motor de foguetes dos EUA para lançamentos pesados ​​comerciais e militares.

    ​Também é notável que o motor foi construído com financiamento privado e sem custo direto para os contribuintes.

    Blue Origin
    YouTube/Blue Origin
    Blue Origin

    Na quarta-feira, a empresa disparou com sucesso o BE-4 com 50% de potência por três segundos em uma instalação no oeste do Texas. É um grande passo no desenvolvimento do motor, que deverá desempenhar um papel fundamental no futuro econômico da Blue Origin.

    Parabéns para toda a equipe Blue Origin no teste de sucesso de um motor BE-4 em grande escala!​

    É altamente provável que o motor BE-4 seja usado no novo foguete emblemático da ULA, Vulcan, substituindo os motores de foguete fabricados na Rússia. A ULA também está considerando como um "Plano B" o motor AR1 em desenvolvimento pela Aerojet Rocketdyne, que historicamente construiu a maioria dos motores dos EUA. Mas o teste bem sucedido de quarta-feira demonstra que a Blue Origin está significativamente acima da Aerojet.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik