11:48 22 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    O quebra-gelo nuclear  50 anos da Vitória

    Rússia começa construção de quebra-gelo nuclear Ural

    © flickr.com/ Christopher Michel
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 81

    O Estaleiro Báltico de São Petersburgo planeja iniciar a constrição do quebra-gelo nuclear Ural em 25 de julho, informou nesta quarta (20) um comunicado da empresa.

    "No dia 25 terá lugar a cerimônia de assentamento da quilha do Ural, um quebra-gelo nuclear, a terceira unidade do projeto 22.220", diz o documento.

    O primeiro navio da série, o quebra-gelo Arktika, foi lançado em 16 de junho e o segundo, o quebra-gelo Sibir – em 26 de maio.

    ​De acordo com o contrato assinado com a estatal Atomflot, a empresa que opera a frota de quebra-gelos nucleares na Rússia, o Estaleiro Báltico deve construir três quebra-gelos projeto 22.220.

    A Rússia precisa destes navios para manter sua liderança no Ártico e guiar caravanas comerciais, quebrando gelo até três metros de espessura nas águas do Ártico.

    O projeto do quebra-gelo permite usá-lo tanto em águas do Ártico, como nas bocas de rios polares.

    Os quebra-gelos universais nucleares do projeto 22.220 serão os maiores e mais potentes do mundo. Eles terão 173,3 metros de comprimento, 34 metros de boca e 33,5 mil toneladas de arqueação. Terão a capacidade para guiar caravanas de navios no Ártico, podendo quebrar gelo com até 3 metros de espessura. 

    Os quebra-gelos serão utilizados para guiar navios-tanque com matéria-prima das jazidas situadas nas penínsulas de Yamal e de Guida, assim como das reservas naturais do mar de Kara aos mercados da região da Ásia e Pacífico.

    Mais:

    Rússia começará a produzir combustível para quebra-gelos nuclear Arktika em 2016
    Quebra-gelo russo Arktika se prepara a sair do estaleiro
    Quebra-gelo russo Arktika será lançado em maio de 2016
    Tags:
    liderança, comércio, navio, nuclear, quebra-gelo, Arktika, Estaleiros Bálticos, Rosatomflot, Ártico, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik