15:58 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2836
    Nos siga no

    A equipe de engenheiros declara que o desenvolvimento do Sistema de Lançamento Espacial não pode ser apressado. O teste planejado vai mostrar como o foguete irá ultrapassar as temperaturas baixas.

    O trabalho do Sistema de Lançamento Espacial, uma versão inteiramente nova do foguete Space Shuttle, é um fator-chave da primeira missão humana a Marte. O primeiro passo nessa viagem, chamado de Missão de Exploração 1 ou EM-1, levará a nave espacial Orion para fora da Lua. A primeira missão não será tripulada, mas a nave Orion está projetada para poder levar uma tripulação.

    Para isso, a NASA está atualmente desenvolvendo um foguete extremamente poderoso chamado Sistema de Lançamento Espacial, ou SLS. O sistema contém dois amplificadores de cinco segmentos de combustível sólido, quatro motores de foguete de combustível líquido e um mínimo de 70 toneladas métricas de potência de elevação, que o tornam o mais poderoso foguete do mundo.

    ​As modificações do novo foguete incluem uma redução drástica do peso e uma grande atualização da eletrônica. A versão nova precisará de eletrônica muito precisa para controlar as 3,6 milhões de libras de empuxo criado por cada amplificador.

    O teste de qualificação tem cerca de 80 obstáculos diferentes a serem superados. Desta vez, os engenheiros irão estimar quanta energia o combustível pode criar a uma temperatura de 40 graus Fahrenheit.

    "Este teste é uma parte da preparação deliberada", diz Mike Sarafin, gerente de missão EM-1. "Até que nós façamos um lançamento demo, vai haver muitas incertezas".

    Após esta incerteza ser removida, será realizado mais um passo em direção à primeira missão humana a Marte.

    Mais:

    Bebê espacial: NASA descobre novo exoplaneta muito jovem
    NASA apresenta novo avião elétrico
    Novo rover marciano da NASA será equipado com helicóptero
    Tags:
    foguete, espaço, Sistema de Lançamento Espacial, NASA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar