03:19 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    154418
    Nos siga no

    Protestos pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro e defendendo as campanhas de vacinação contra a COVID-19 ganharam as ruas do país nesse sábado (3).

    Neste sábado (3), várias manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro tomaram conta de diversas capitais no Brasil após o "superpedido" de impeachment protocolado na Câmara dos Deputados na quinta-feira (30).

    Os protestos também têm como iniciativa defender uma campanha de vacinação contra a COVID-19 mais rápida no país, além de defender a própria vacina, visto que o governo adotou postura negacionista em relação à inoculação da população durante longo tempo.

    Apoiados por sindicatos, partidos de esquerda, centro e até direita, os atos começaram pela manhã em alguns locais e devem ocorrer em ao menos 290 cidades no Brasil e em outros sete países, de acordo com os organizadores.

    Pessoas participam de protesto pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro e contra seu tratamento diante da pandemia do coronavírus na Candelária, Rio de Janeiro, 3 de julho de 2021
    © REUTERS / PILAR OLIVARES
    Pessoas participam de protesto pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro e contra seu tratamento diante da pandemia do coronavírus na Candelária, Rio de Janeiro, 3 de julho de 2021

    Após uma semana de polêmicas envolvendo suposto caso de corrupção em torno da compra dos imunizantes da AstraZeneca e Covaxin pelo Ministério da Saúde, o governo, que já enfrentava diversas polêmicas, gerou ainda mais indignação na população que decidiu ir para às ruas nesse sábado, promovendo a hashtag #3JForaBolsonaro nas redes sociais.

    ​Outras importantes cidades também tiveram manifestações, como Florianópolis, em Santa Catarina.

    ​Assim como no Recife.

    Brasileiros que se encontram fora do país também se uniram para promover manifestações, como em Viena, na Áustria.

    Ontem (2), a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a abertura de um inquérito para investigar o presidente Jair Bolsonaro por prevaricação no caso da vacina indiana Covaxin, conforme noticiado.

    Manifestante segura placa com número de mortos pela COVID-19 no país, Rio de Janeiro, Brasil, 3 de julho de 2021
    © REUTERS / PILAR OLIVARES
    Manifestante segura placa com número de mortos pela COVID-19 no país, Rio de Janeiro, Brasil, 3 de julho de 2021

    Também ontem (2), a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro para apurar se ele cometeu o crime de prevaricação. A magistrada autorizou que a Polícia Federal colha depoimento de Bolsonaro.

    Ao mesmo tempo, a ministra autorizou o depoimento de Luis Ricardo Miranda e de seu irmão, o deputado Luis Claudio Miranda (DEM-DF). Além disso, autorizou que a Polícia Federal e a PGR a buscarem informações junto à Controladoria-Geral da União, ao Tribunal de Contas da União, à Procuradoria da República no Distrito Federal e à CPI da Covid sobre as negociações relativas à Covaxin.

    Mais:

    PGR pede para processar Bolsonaro por prevaricação no caso Covaxin
    PF e MP vão investigar suspeitas envolvendo compra da vacina Covaxin pelo governo federal
    Impeachment: denúncia sobre Covaxin pode derrubar Bolsonaro?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar