00:16 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    92114
    Nos siga no

    Lula diz que Bolsonaro "não está nem aí para saúde do povo" e que o Brasil está pagando um preço alto por não ter feito "o dever de casa" quando optou por não comprar vacinas antecipadamente.

    Em entrevista hoje (9), o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, declarou que se for necessária sua candidatura para tirar Bolsonaro, ele estará mais do que confirmado para concorrer às eleições de 2022. O ex-presidente também comentou que no Brasil "não há uma mensagem de paz, só de ódio", segundo o UOL.

    "Se for necessário para tirar o Bolsonaro que eu seja candidato, não tenham dúvida que serei. O povo está cansado. Liga a televisão, tá lá o Bolsonaro mentindo. Vai ver o jornal, tá lá o filho dele inventando uma fake news. Não há uma única mensagem de paz. É só ódio", disse Lula citado pela mídia.

    O ex-presidente também criticou a forma como a pandemia vem sendo gerenciada no país, pois acredita que se sua coordenação fosse feita de outra maneira "pelo menos metade das mortes" teriam sido poupadas, principalmente se todas as ofertas de vacinas não tivessem sido evitadas.

    Segundo Lula, o Brasil "está correndo atrás do prejuízo porque não fez a lição de casa" ao não comprar vacinas e negar o vírus desde o começo, e afirmou que "a verdade é que o presidente não está nem aí para saúde do povo".

    Em entrevista no último dia 7, Lula também criticou a gestão de Bolsonaro diante da pandemia, dizendo que sua condução tem sido desastrosa e "quase genocida" quando se olha para o número de mortos pela COVID-19 no Brasil.

    Mais:

    Para não prejudicar Lula, advogados pedem julgamento de Moro antes da saída de Marco Aurélio
    Lula: 'Sociedade que chora 450 mil mortos não pode assistir um presidente passeando de moto'
    Brasil não precisa de permissão dos EUA para comandar seu 'próprio quintal', diz Lula
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Brasil, 2022, eleições, Lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar