00:01 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)
    254
    Nos siga no

    O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse nesta quarta-feira (19) à CPI da Covid que o contrato com o programa COVAX, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), apresentava "risco".

    A iniciativa busca promover a produção e distribuição de vacinas contra a COVID-19 para países pobres e em desenvolvimento. O governo brasileiro optou pela cota mínima de doses - para vacinar 10% da população, embora pudesse ter escolhido acordo para entrega capaz de imunizar 50% da população.

    A vacinação começou em ritmo lento no país e ainda não atingiu a velocidade recomendada por especialistas, que elogiam o programa nacional de imunização, mas apontam a falta de insumos. 

    Ao justificar a opção, Pazuello disse que não havia um cronograma de entrega por parte do consórcio COVAX Facility. O Ministério da Saúde assinou acordo para envio de 42 milhões de doses. 

    "Naquela forma, era o máximo que poderíamos fazer com o risco que estava imposto ali dentro", disse o ex-ministro. "Optei pelos 10% pela simples razão de que não havia firmeza, estabilidade nos processos para apostarmos tantos recursos", argumentou Pazuello.
    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)

    Mais:

    COVAX busca US$ 2 bilhões em doações para a compra de vacinas
    Ativista Greta Thunberg doará US$ 120 mil para apoiar COVAX Facility
    Aprovação de vacina chinesa pela OMS acelerará imensamente entregas do COVAX, dizem analistas
    Tags:
    Eduardo Pazuello, Ministério da Saúde, COVAX Facility, vacina, CPI, Brasil, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar