18:46 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no mundo (75)
    0 61
    Nos siga no

    O Brasil registrou neste domingo (18) 1.657 mortes pela COVID-19, chegando a 373.335 óbitos causados pelo coronavírus.

    Os números são do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que também confirmou 42.980 novos casos da doença. Com isso, o total de infecções no país chega agora a 13.943.071, e os óbitos somam 373.335.

    O número significa que este foi o segundo domingo mais mortal desde o início da pandemia, atrás apenas do dia 11 de abril, quando foram registrados 1.803 óbitos em 24 horas.

    ​Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

    Os números divulgados nos fins de semana também costumam ser mais baixos, uma vez que as equipes responsáveis pela notificação trabalham em escala reduzida.

    Segundo o Ministério da Saúde, 12.344.861 pacientes haviam se recuperado da doença até a noite de sábado (17).

    Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 567 mil óbitos, e o terceiro com mais casos confirmados, depois de EUA (31,6 milhões) e Índia (14,7 milhões).

    Enterro de vítima da COVID-19 em cemitério de São Paulo.
    © Folhapress / Bruno Santos
    Enterro de vítima da COVID-19 em cemitério de São Paulo.

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no mundo (75)

    Mais:

    Negligência e negacionismo com COVID-19 isolam Brasil na comunidade internacional, diz especialista
    Brasil passa de 362 mil mortes por COVID-19 e chega ao 5º dia com média de óbitos acima de 3 mil
    MSF: Brasil vive 'catástrofe humanitária' por falha na resposta à COVID-19
    Brasil registra 3.774 mortes por COVID-19 e mais de 80 mil casos em 24 horas
    Tags:
    pandemia, mortes, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar