06:21 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)
    3913
    Nos siga no

    Após alterar ao menos cinco vezes o cronograma de entrega de vacinas contra a COVID-19, o Ministério da Saúde decidiu que não vai mais divulgar a previsão de doses para cada mês.

    De acordo com informações do Estadão, a pasta informou que agora os dados devem ser coletados diretamente com os fabricantes.

    As divulgações e as atualizações de estimativas de chegada de imunizantes começaram em fevereiro após forte pressão sobre o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

    Em suas projeções, o ministério não considerava os atrasos na entrega de insumos para a produção de vacinas na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e no Instituto Butantan.

    Além disso, a pasta somava doses de imunizantes que não tinham aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como a Sputnik V e a Covaxin. A vacina russa ainda não foi avaliada pelo órgão, e a indiana já foi rejeitada.

    Detalhe da vacina fabricada pela Fiocruz em parceria com a Astrazeneca/Oxford. Paraná recebe mais de 525 mil doses das vacinas Coronavac e Astrazeneca Oxford no Centro de Medicamentos do Paraná em Curitiba, PR
    © Folhapress / Rodolfo Buhrer
    Detalhe da vacina fabricada pela Fiocruz em parceria com a Astrazeneca/Oxford. Paraná recebe mais de 525 mil doses das vacinas Coronavac e Astrazeneca Oxford no Centro de Medicamentos do Paraná em Curitiba, PR

    Segundo dados desta quinta-feira (8), o Brasil distribuiu 45,2 milhões de vacinas em março. Em fevereiro, o ministério previa que o país teria 68 milhões de doses no mês.

    O Instituto Butantan afirmou que concluirá a meta de entregar ao governo federal 46 milhões de imunizantes até o fim de abril, com o volume já distribuído de 38,2 milhões.

    Já a Fiocruz, considerando as 8,1 milhões de unidades já fabricadas, espera enviar o total de 26,5 milhões de doses até o começo de maio.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)

    Mais:

    Venezuela e Cuba produzirão juntas vacina contra COVID-19
    COVID-19: Ministério da Saúde da Rússia autoriza testes da vacina EpiVacCorona-N
    França recomenda mistura de vacinas em meio a preocupações com AstraZeneca
    Tags:
    Eduardo Pazuello, Jair Bolsonaro, governo federal, Ministério da Saúde, Brasil, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar