15:31 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    12109
    Nos siga no

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira (1º) que o PT poderá fazer alianças com setores de centro nas eleições de 2022. 

    Em entrevista ao programa O É da Coisa, do jornalista Reinaldo Azevedo, Lula afirmou que a legenda "trabalha com aliança" e, "se for preciso", poderá caminhar ao centro para vencer o pleito. 

    "O PT é um partido grande. E o PT trabalha com aliança. Tenho certeza que a gente vai construir alianças com setores de esquerda. E tenho certeza que, se for preciso chegar ao centro para ganhar as eleições, a gente vai procurar", afirmou o ex-presidente. 

    O petista acrescentou ainda que não tem problemas em se relacionar com todos os setores da sociedade e da política. 

    "Eu fui presidente da República. Eu convivi com toda essa gente", disse o petista. 

    Vacina e auxílio

    Apesar disso, Lula afirmou que não será necessariamente o candidato do PT nas eleições do ano que vem. O ex-presidente criticou o governo Bolsonaro e argumentou que, por enquanto, é preciso discutir soluções para o Brasil e apressar a vacinação

    “Neste ano de 2021 não quero discutir 2022. Este ano é ano de todos nós que temos responsabilidade fazermos um esforço para que este país tenha vacina para todo mundo, que é a única garantia que vamos ter. Precisamos ter auxílio emergencial para o trabalhador poder ficar em casa e comer. Precisamos de auxílio para o microempreendedor poder continuar existindo", ponderou. 

    Manifesto

    O petista comentou sobre o manifesto a favor da democracia assinado por Ciro Gomes (PDT), Eduardo Leite (PSDB), João Amoêdo (Novo), João Doria (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Luciano Huck (sem partido).

    "Aprovo qualquer manifesto que defenda a democracia. Mas todos eles tiveram a chance de deixar a democracia garantida e votar no Haddad [na eleição de 2018]. Mas preferiram votar em Bolsonaro", disse o ex-presidente. "O Ciro foi para Paris", completou Lula.

    Na semana passada, em reunião com as bancadas do PT do Senado e da Câmara, Lula defendeu uma frente ampla entre a esquerda e o centro. Segundo ele, não pode existir uma frente ampla só com partidos de esquerda.

    Mais:

    Lula recorre de decisão que manteve seus bens bloqueados
    Cármen Lúcia muda o voto e Moro é declarado suspeito no caso Lula
    STF marca para 14 de abril julgamento de recurso contra anulação das condenações de Lula
    Tags:
    João Doria, presidente, governo, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, eleições, PT, lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar