21:38 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    6225
    Nos siga no

    Líderes da oposição apresentaram nesta quarta-feira (31) mais um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Desta vez, por atentar contra a democracia.

    A saída de três comandantes das Forças Armadas do Brasil segue rendendo polêmicas para o governo. Nesta quarta-feira (31), a oposição protocolou mais um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. 

    O principal argumento do documento é que Bolsonaro tentou cooptar as Forças Armadas, o que teria ficado evidente com a saída do ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

    Deputado do PSB, Alessandro Molon comentou em suas redes sociais o novo processo, protocolado ao lado de líderes de outros partidos, como Marcelo Freixo, do PSOL; Randolfe Rodrigues, da Rede; Arlindo Chinaglia e Jean Paul Prates, do PT.

    ​Para a oposição, o presidente da República está tentando, de forma autoritária, apropriar-se indevidamente das forças militares do país, uma ameaça à democracia.

    Os autores do pedido alegam que a conduta de Bolsonaro se encaixa no artigo sétimo da Lei do Impeachment, que diz ser crime de responsabilidade "provocar animosidade entre as classes armadas ou contra elas, ou delas contra as instituições civis".

    "Ele trocou o ministro da Defesa num impulso. Sem pensar nas consequências de seu movimento, ele está em xeque. As trocas no Ministério da Defesa e na chefia das Forças Armadas em um Brasil em que a sociedade ainda não se recuperou totalmente de um período militar, podem ter implicações graves", disse o líder da minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN).

    Mais:

    Tememos novo presidente do IBGE lunático ou militar, dizem servidores do órgão à Sputnik Brasil
    Brasil: todos estados e DF estão com 'estoque crítico' para intubação, diz Ministério da Saúde
    VÍDEO mostra Marinha do Brasil em ação durante operação ADEREX-Aeronaval 2021
    Tags:
    PT, Lei do Impeachment, impeachment, Alessandro Molon, Marcelo Freixo, Exército, forças armadas, Jair Bolsonaro, Brasil, oposição
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar