09:43 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    51010
    Nos siga no

    O ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, divulgou uma carta para se defender de críticas após sua queda. O chanceler caiu após pressão do centrão sobre o presidente Jair Bolsonaro.

    No texto, Araújo afirma que ele teria sido alvo de uma "narrativa falsa e hipócrita, a serviços de interesses escusos nacionais e estrangeiros", segundo a qual sua atuação "prejudicaria a obtenção de vacinas".

    ​Sem citar nomes, o ex-ministro disse ainda que o Brasil é alvo de um "projeto materialista" para roubar a "dignidade espiritual".

    "A verdade liberta e a mentira escraviza. Hoje, a mentira é despudoradamente utilizada para um projeto materialista que visa a escravizar o Brasil e os brasileiros, a escravizar o próprio ser humano e roubá-lo de sua dignidade material e, principalmente, espiritual", escreveu.

    A pressão pela demissão de Araújo partiu, principalmente, dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

    Na carta, Araújo diz apenas que colocou seu cargo à disposição do governo.

    "Exibi todos os fatos que desmentem tais alegações [sobre sua atuação na obtenção de vacinas], mas infelizmente, neste momento da vida nacional, a verdade não importa para as correntes que querem de volta o poder – esse poder que, durante as décadas em que o exerceram, só trouxe ao Brasil atraso, corrupção e desgraça", afirmou.

    Durante o tempo em que esteve à frente da pasta, Araújo se envolveu em diversos embates diplomáticos com a China.

    Mas a situação de Araújo no cargo ficou insustentável neste domingo (28), quando o ex-ministro partiu para o confronto com a senadora Katia Abreu (PP-TO), insinuando que a parlamentar havia pedido para favorecer a China na instalação da Internet 5G no Brasil.

    A acusação causou revolta no Congresso e foi o estopim para a queda de Araújo.

    Mais:

    Bolsonaro troca o comando de 6 ministérios
    Queda de ministros indica 'limite da governabilidade' do bolsonarismo, diz especialista
    'É injusto que o Brasil seja visto como ameaça global', diz Ernesto Araújo sobre a COVID-19
    Tags:
    Kátia Abreu, Rodrigo Pacheco, Arthur Lira, demissão, Jair Bolsonaro, Brasil, Ministério das Relações Exteriores, Ernesto Araújo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar