07:23 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)
    1335
    Nos siga no

    A Comissão Arns e a ONG Conectas Direitos Humanos denunciaram ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, nesta segunda-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro em razão da sua postura diante da pandemia da COVID-19.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, a socióloga Maria Hermínia Tavares de Almeida, fundadora e membro da Comissão Arns, disse que o presidente Jair Bolsonaro teve atitudes que prejudicaram as ações de contenção do novo coronavírus no Brasil.

    "O que nos levou a apresentar essa denúncia foi uma atitude recorrente de negação por parte do presidente da República com relação ao perigo e a gravidade da pandemia. Durante o tempo inteiro ele desdenhou das recomendações dos cientistas", afirmou.

    Maria Hermínia disse que o presidente "estimulou o uso de remédios ineficazes, como a cloroquina, promoveu aglomerações, enfraqueceu o Ministério da Saúde e não deu importância à vacina".

    "Ele [Bolsonaro] apresentou o tempo inteiro uma atitude irresponsável e desrespeitosa com relação aos brasileiros que estavam morrendo. Nós acreditamos que a sua atitude, na verdade, é em grande parte responsável pela dimensão da tragédia que o Brasil vive hoje", destacou.

    O advogado Marcelo Chalréo, presidente da Comissão de Direitos Sociais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), concordou com o teor da denúncia apresentada pela Comissão Arns e pela Conectas Direitos Humanos.

    "De fato, são condutas do senhor presidente da República absolutamente ao largo de tudo aquilo que recomenda a ciência, que recomendam os pesquisadores. São atitudes que agridem diretamente o povo brasileiro, agridem da pior forma possível, com adoecimento e com a morte", disse à Sputnik Brasil.

    ​Nesta segunda-feira (15), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que pretende auxiliar para que Bolsonaro seja julgado em tribunais internacionais por conta de sua condução das ações de combate à pandemia. Segundo o tucano, Bolsonaro está "cometendo um genocídio contra os brasileiros".

    'Queremos alertar a opinião pública internacional'

    Para a representante da Comissão Arns, o objetivo de ter recorrido ao Conselho de Direitos Humanos é para que a ONU preste atenção à conduta de Jair Bolsonaro.

    "Naturalmente o Conselho de Direitos Humanos tem os seus próprios procedimentos, seus próprios mecanismos de decisão, e nós quisemos simplesmente alertar o conselho e alertar a opinião pública internacional sobre a gravidade da situação que o país está vivendo", comentou.

    Essa não é a primeira denúncia contra Bolsonaro em um tribunal internacional feita pela Comissão Arns. Em 2019, a organização denunciou o presidente brasileiro no Tribunal Penal Internacional (TPI) por supostamente "incitar o genocídio e promover ataques sistemáticos contra os povos indígenas do Brasil".

    Marcelo Chalréo disse que "não há como discordar das denúncias" feitas contra Bolsonaro e espera que "elas caminhem positivamente para as consequências necessárias perante esses organismos".

    "Desde o início [da pandemia] nós temos uma Presidência da República sem nenhuma empatia com o povo brasileiro no que diz respeito ao trato dessa questão da pandemia. As omissões são terríveis. A gente verifica pelas lives do presidente ele desestimulando o uso de máscara, recomendando medicamentos absolutamente inadequados e impróprios, fomentando aglomerações", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)

    Mais:

    Fiocruz: vacinação de toda a população do RJ levaria mais de 2 anos no ritmo atual
    Não há ministro da Saúde que consiga trabalhar com sabotagem de Bolsonaro, diz governador do RS
    Pazuello admite que Bolsonaro busca alguém para substituí-lo e anuncia acordo com Pfizer e Janssen
    Polícia vai à casa de Felipe Neto e o intima por 'crime contra a segurança nacional'
    Brasileira com COVID-19 é retirada de avião em Lisboa pela polícia e impedida de voltar ao Brasil
    Tags:
    COVID-19, Brasil, Jair Bolsonaro, novo coronavírus, mortes, casos confirmados, Tribunal Penal Internacional (TPI), Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, denúncia, pandemia, Conectas Direitos Humanos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar