05:02 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no final de fevereiro de 2021 (64)
    0 51
    Nos siga no

    Ministério da Saúde recomendou em informe técnico, enviado na terça-feira (23), para que estados e municípios reservem metade de novo lote da CoronaVac para fazer aplicação da segunda dose. 

    A orientação contradiz orientação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Na última sexta-feira (19), ele disse a prefeitos que o carregamento de vacinas deveria ser usado inteiro na aplicação da primeira dose, sem reserva para segunda.

    O documento informa que o lote contém dois milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, importadas da Índia, e 1,2 milhão da CoronaVac, entregues pelo Instituto Butantan. 

    Segundo Pazuello, a mudança de estratégia era possível pois haveria garantia de que novas doses seriam produzidas. No informe técnico, o Ministério da Saúde diz exatamente o oposto ao colocado por Pazuello. A pasta afirma, segundo o portal UOL, que "ainda não há um fluxo de produção regular" da CoronaVac. 

    No caso da vacina de Oxford, como o tempo entre a primeira aplicação e a segunda é de três meses, a orientação, desde o início da campanha de imunização, é de não reservar doses, ao contrário da CoronaVac, que exige de duas a quatro semanas entre as duas aplicações.

    De acordo com o ministério, é recomendado que a segunda dose da vacina "seja reservada para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação". 

    'Idas e vindas de informações'

    O ritmo lento da vacinação no Brasil é alvo de críticas da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que cobra agilidade no processo e culpa o governo pela falta de vacinas. 

    "Infelizmente essas idas e vindas de informações prejudicam o planejamento das pessoas e dos gestores lá na ponta. O ministro nos garantiu, na sexta ([19], que poderíamos utilizar plenamente os novos lotes integralmente como primeira dose. E agora, retorna à posição original de reservar metade dos lotes para a segunda dose com uma orientação oficial", disse o presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizette (PSB). 
    Tema:
    COVID-19 no Brasil no final de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Honduras aprova a vacina Sputnik V contra a COVID-19
    AstraZeneca entregará menos de 50% das doses prometidas à UE no 2º trimestre
    Fiocruz Amazônia anuncia nova ferramenta para detecção rápida de variantes do SARS-CoV-2
    Tags:
    Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Ministério da Saúde, Brasil, vacinação, Vacina CoronaVac, COVID-19, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar